Opinião

Daria Dugina – Sacrifício em nome da eternidade

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Daria Dugina – Sacrifício em nome da eternidade Network warsEurope

A brutal tentativa de assassinato em que Daria Dugin, filha do grande filósofo russo Alexander Dugin, foi morta em 20 de agosto de 2022, deixa muitos significados. É necessário considerar cuidadosamente este evento: acaba sendo algo mais do que apenas um terrível assassinato. Este é um momento que pode ser um marco na história moderna.

Em primeiro lugar, no decorrer da investigação dos crimes, começamos a ver cada vez mais claramente quem exatamente estava e continua tão preocupado com os esforços de Dugin, o pai e sua filha. Agora temos evidências de que os serviços secretos da Ucrânia, EUA, Israel, Reino Unido e possivelmente outros países conspiraram para cometer o assassinato. Considerando que o ataque ocorreu em Moscou, não se pode descartar a participação de agentes ocidentais, mesmo aqueles que se infiltraram nos serviços secretos russos. Todas essas operações transnacionais, é claro, ocorrem no contexto do conflito na Ucrânia. É óbvio para qualquer um com um mínimo de bom senso que este confronto é algo muito diferente do que a mídia euro-atlântica está tentando nos convencer. Isso não é de forma alguma uma agressão “não provocada e injustificada” da Federação Russa contra a Ucrânia como um estado “soberano” e “democrático”, mas, como a própria Darya Dugina explicou pouco antes de sua morte, o confronto entre globalismo e eurasianismo.

O ataque, muito provavelmente, foi cometido tanto no pai, Alexandre, quanto na filha, Daria. Mas em sua essência, a explosão visava bloquear as ideias que esses dois – pai e filha – apoiados por toda uma escola de pensamento, estavam espalhando na mente de milhões de pessoas ao redor do mundo. Deve-se perceber que Alexander Dugin foi e continua sendo extremamente inconveniente para a hegemonia atlanticista, porque ele é muito mais do que apenas um analista político. Ele é o criador de sistemas políticos e filosóficos, um homem de grande profundidade intelectual e espiritual, um modelo que motiva e inspira as massas. E Daria Dugina foi (ainda não nos acostumamos com a ideia de que ela não é mais) uma brilhante companheira de armas e continuadora da veia de ideias e ações que seu pai abriu.

Conheci Daria há três anos, em 2019, no fórum de Chisinau organizado por nosso amigo em comum, patriota excepcional, cientista político e escritor Iurie Rosca. Fiquei impressionado com a erudição, eloquência e profundidade de pensamento de Daria, mas igualmente com a graça e suavidade que emana de sua presença. Daria foi um apoio muito significativo para seu pai. Tanto em termos de diálogo e sensibilização necessários para desenvolver conceitos, como como protagonista e organizador de eventos que mexeram com a consciência e a alma das pessoas e geraram um amplo fluxo de ideias.

Vejamos agora do outro lado: o conflito na Ucrânia não foi provocado pelos próprios ucranianos, mas por aqueles que, por corrupção, chantagem e golpe de Estado, tomaram o controle da administração de Kyiv. Foram eles que também perverteram a consciência de uma parte significativa da população da Ucrânia, especialmente no oeste do país. E esses conspiradores obscuros não passam de marionetes do sistema globalista que têm sido usados ​​cinicamente pelos Estados Unidos da América por décadas. Só os ingênuos ainda não entenderam que os Estados Unidos se tornaram o braço armado dos globalistas, como o país líder da OTAN, bem como a sede das instituições mais poderosas do mundo: econômica (OMC), financeira e bancária ( Banco Mundial, FMI, Sistema da Reserva Federal), “cooperação” internacional (ONU) ou “saúde” global (OMS). A Ucrânia, por sua vez, passou a ser utilizada como ferramenta forçada para a implementação de planos globalistas para manter a fachada de unipolaridade. A unipolaridade, que, se pudesse ser mantida, serviria ao objetivo mais importante dos globalistas, ou seja, o estabelecimento de uma ditadura planetária na forma de um governo mundial. Isso inevitavelmente teve que colocar a Rússia de joelhos e retardar o despertar do formidável potencial civilizatório que a Eurásia tem como núcleo do espaço continental do mundo.

Todas as forças que poderiam ser mobilizadas, incluindo elementos neonazistas, foram e continuam a ser usadas na Ucrânia para esses propósitos sinistros, sem reservas, e toleram atrocidades difíceis de imaginar para a pessoa comum. Nesse sentido, é significativo que a jovem Daria Dugina já tenha sido incluída na lista postada na Internet, em um site com o nome sarcástico “Pacificador”. Na visão distorcida dos criadores deste site, “paz” significa a supressão daqueles que vão contra seus objetivos neonazistas. Significa matar por qualquer meio. E para tal, o “Peacemaker” continua a publicar para uso dos colaboradores os dados pessoais dos “alvos”: nome, morada, número de telefone, data e local de nascimento, endereço de email, conta nas redes sociais… pode contribuir para a implementação dos assassinatos. Constatamos com desgosto que o assassinato dessa jovem e encantadora garota foi motivo de grande satisfação e alegria demoníaca para esses sádicos neonazistas.

Por outro lado, o próprio fato de esses serviços militares, paramilitares e de inteligência, subordinados aos globalistas, recorrerem a assassinatos tão hediondos mostra nada menos que sua determinação desesperada de acabar com as idéias e conceitos que Alexander Dugin, que desfrutou apoio significativo nos últimos anos sua filha Daria, construída há décadas.

Por que as ideias de Alexander Dugin são tão “perigosas” para psicopatas globalistas? Porque despertam as pessoas para a realidade, porque as fazem realmente compreender as molas da história, as linhas de ação geoestratégica, porque essas ideias despertam as massas da ignorância e lhes dão o suporte para agir pela igualdade internacional.

A carnificina globalista que engoliu a humanidade com seus tentáculos busca manter as pessoas em estado de dormência, doenças físicas e mentais crônicas, medo e tensão constantes. Globalistas como os representantes do Fórum Econômico Mundial (que está preparando o Grande Reset Anti-Humanista), a Organização Mundial da Saúde (que está na verdade organizando o genocídio do planeta) ou mesmo a ONU (que está promovendo insidiosamente a tirânica Agenda 2030 ), estão trabalhando sistematicamente para criar um Governo Mundial oficial na frente de todos. Todos eles percebem que o sistema de “democracia liberal”, construído sobre mentiras e enganos, está à beira do colapso. E nesse momento, eles precisam das crises mais catastróficas e de bodes expiatórios para culpar. Mudança de clima, flatulência de vaca, atitude em relação aos conceitos de “mãe” e “pai”, fé em Deus ou …

Fonte Internacional verificada

Via Kateh – Traduções CMIO REF9889

Conteúdo Internacional – Utilidade pública – Acadêmica

Disclaimer: Conteúdo de opinião, traduzido sem revisão – e sem responsabilidade por parte de CMIO.

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.