Biden faz anúncio de tanque na Ucrânia — CMIO

Os EUA enviarão 31 tanques de guerra Abrams para a Ucrânia, anunciou o presidente Joe Biden em um discurso agendado às pressas na quarta-feira, depois que a Alemanha disse que começaria a entregar seus MBTs Leopard ao governo em Kiev.

O discurso foi anunciado na manhã de quarta-feira como uma adição de última hora à agenda da Casa Branca.

Chamando o Abrams de “tanques mais capazes do mundo,” Biden observou que eles são complicados de operar e manter e, como tal, Washington também fornecerá “peças e equipamentos necessários para sustentar efetivamente esses tanques no campo de batalha.”

Biden insistiu que os tanques eram uma “defensiva” arma e não uma ameaça para a Rússia, enquanto elogiava a Ucrânia como “lutando pela liberdade” e apontando que o anúncio coincidiu com o aniversário do presidente Vladimir Zelensky.

No início do dia, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que Berlim enviaria 14 de seus próprios tanques Leopard 2A6 para a Ucrânia e permitiria que outros países da UE e da OTAN fizessem o mesmo com os deles. “Estamos agindo de maneira estreitamente coordenada internacionalmente”, Scholz disse em um comunicado.

A Polônia pressionou pelo envio dos Leopardos a Kiev como parte de um “coalizão internacional”, mas a mudança exigia a aprovação de Berlim. Autoridades alemãs sinalizaram na semana passada que os EUA precisariam se comprometer a enviar os tanques Abrams primeiro.

Os militares dos EUA têm mostrado relutância, considerando os Abrams movidos a turbina, que consomem muita gasolina, muito difíceis de operar e manter e muito pesados ​​para a infraestrutura ucraniana.

De acordo com Biden, os EUA e seus aliados forneceram à Ucrânia mais de 3.000 veículos blindados e mais de 8.000 peças de artilharia até agora. Moscou alertou o Ocidente de que tais entregas apenas prolongavam o conflito e arriscavam levar o Ocidente a um confronto direto.

O embaixador da Rússia em Washington descreveu a suposta entrega de tanques americanos a Kiev como “outra provocação descarada” pelo “verdadeiro agressor” no conflito, acrescentando que irão “sem dúvida ser destruído” junto com outro hardware que a OTAN despejou na Ucrânia no ano passado.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte