Militares franceses ordenados a deixar Burkina Faso dentro de um mês

  Fact-checking  Autentic  DMCA  Report

MOSCOU, 22 de janeiro – RIA Novosti. O governo de Burkina Faso denunciou o acordo sobre a presença das Forças Armadas francesas, após o qual os militares devem deixar o país dentro de um mês, informou a Agência de Notícias de Burkina Faso (AIB), citando fontes.
“O governo… denunciou o acordo que, desde 2018, regulou a presença das forças armadas francesas… A denúncia de 18 de janeiro de 2023, de acordo com os termos do acordo… dá às forças armadas francesas um mês para deixar o território de Burkina Faso”, afirmou a agência em comunicado.
Note-se que os cidadãos se manifestam regularmente há vários meses em apoio à retirada dos militares franceses do país.
No final de setembro de 2022, a mídia noticiou que um grupo militar em Burkina Faso, liderado pelo capitão Ibrahim Traore, anunciou a destituição do chefe do governo de transição do país, tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba, a suspensão do constituição do país e a dissolução do governo. Damiba anunciou sua disposição de renunciar voluntariamente se os rebeldes cumprissem várias condições.
Burkina Faso, localizado na região do Sahel, tenta conter uma ofensiva jihadista radical que ocorre desde 2015.

Primeiro-ministro de Burkina Faso pede à Rússia que abra embaixada em Ouagadougou



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado

  Fact-checking  Autentic  DMCA  Report