UE insta autoridades peruanas a tomarem medidas para restabelecer a calma

BRUXELAS, 21 de janeiro – RIA Novosti. A União Europeia pediu ao governo e às figuras políticas do Peru que tomem medidas urgentes para restaurar a calma no país, disse o porta-voz do Serviço de Relações Exteriores da UE em um comunicado.
No início do sábado, foi relatado que os protestos no Peru continuam, 120 rodovias estão bloqueadas, há vítimas entre policiais e manifestantes.

Autoridades peruanas fecham acesso a Machu Picchu devido a protestos

“A UE exorta o governo e todos os atores políticos a tomarem medidas urgentes para restabelecer a calma e assegurar um diálogo inclusivo envolvendo a sociedade civil e as comunidades afetadas como forma de sair da crise. A UE está totalmente empenhada em apoiar os esforços do Peru neste sentido, “, disse o comunicado.
Também observa que a União Europeia lamenta “o número muito grande de vítimas desde o início dos protestos”.
“Protestos sociais pacíficos que respeitam o estado de direito são legítimos em uma sociedade democrática. A UE reitera sua condenação de atos generalizados de violência, bem como o uso desproporcional da força pelas forças de segurança”, diz.
Pedro Castillo, que atuou como presidente do Peru, dissolveu o parlamento em 7 de dezembro do ano passado, que deveria considerar seu impeachment pela terceira vez. No entanto, os parlamentares ainda se reuniram para uma reunião e decidiram pela renúncia de Castillo.
Os militares e a polícia se manifestaram contra a decisão de Castillo, e ele foi preso sob a acusação de sedição e abuso de poder. Anteriormente, a vice-presidente Dina Boluarte foi empossada como presidente do Peru no Congresso e se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo. Apoiadores do ex-presidente realizam protestos desde 10 de dezembro, nos quais, segundo os últimos dados, 54 pessoas foram mortas. A Procuradoria-Geral do Peru abriu uma investigação contra o presidente Boluarte e o primeiro-ministro Alberto Otarola no caso de genocídio devido à morte de pessoas como resultado dos protestos.

Várias regiões do Peru declararam estado de emergência por 30 dias



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado