Ação em larga escala contra a mineração de carvão ocorreu em Lutzerat

BERLIM, 14 de janeiro – RIA Novosti. Manifestantes de toda a Alemanha dirigiram-se à aldeia alemã de Lützerath, onde está prevista a mineração de carvão, a ecoativista sueca Greta Thunberg juntou-se aos manifestantes, no total, segundo estimativas da mídia, o protesto uniu de 10 mil a 20 mil pessoas.
“No sábado, manifestantes de toda a Alemanha dirigiram-se para a aldeia ocupada de Lützerath (Renânia do Norte-Vestfália). As estimativas variam de 10.000 a 20.000 participantes”, informou o jornal alemão Bild.
Entre os manifestantes está a ecoativista sueca Greta Thunberg. Segundo relatos da mídia, os manifestantes planejam entrar na zona de exclusão.
Segundo a polícia da cidade de Aachen, que está limpando o vilarejo, todos os prédios do vilarejo já foram esvaziados, mas ainda há manifestantes nos prédios improvisados ​​de madeira. Segundo relatos da mídia, restam 15 desses abrigos e, além disso, dois ativistas ainda estão em um túnel cavado no território de Lutzerat.
Policiais e representantes das forças operacionais começaram na manhã de quarta-feira a limpar a vila alemã de Lützerath, localizada na Renânia do Norte-Vestfália, entre Aachen e Düsseldorf. A empresa de energia alemã RWE está planejando a mineração de carvão na área. De acordo com a resolução, a vila deve ser totalmente liberada das pessoas que vivem nela antes do final de janeiro. No entanto, ativistas ambientais que protestam contra a mineração querem manter Lutzerath e se instalaram em casas cujos antigos moradores já se mudaram.

Luta contra o capitalismo confiada a Greta Thunberg

[ad_2]

Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado