O especialista comentou a reportagem da mídia sobre a renúncia do ministro da Defesa da Alemanha

MOSCOU, 14 de janeiro – RIA Novosti. A reportagem do tablóide Bild sobre a renúncia iminente da ministra da Defesa alemã, Christina Lambrecht, deve ser considerada como um enchimento de informações contra o pano de fundo de duras críticas contra ela nos últimos anos, acredita Alexander Kamkin, pesquisador sênior do IMEMO RAS.
Na noite de sexta-feira, a publicação, citando suas fontes, informou que Lambrecht (o Partido Social Democrata da Alemanha, parte da coalizão do governo) decidiu renunciar. O porta-voz do Ministério da Defesa alemão disse à RIA Novosti que as notícias sobre a possível renúncia de Lambrecht são rumores que o departamento não comentará.

Alemanha não quer tomar decisão sobre o fornecimento do Leopard 2 para Kyiv, dizem especialistas

“O Bild é um análogo da imprensa amarela. Se considerarmos a classificação das publicações de informações alemãs, o Bild está claramente em último lugar em termos de grau de confiabilidade das informações. Mas, em geral, isso também pode ser uma espécie de preenchimento de informações Se levarmos essa informação a sério, é claro que a Lambrecht esteve recentemente ligada a uma série de escândalos”, disse Kamkin à agência, lembrando as críticas do ministro por causa do fornecimento do Bundeswehr, e também por causa dela. declarações sobre a impossibilidade de aumentar drasticamente o tamanho do exército.
“Ela tem motivos de sobra para pensar em tal diligência. Mas até agora essas informações são teorias da conspiração, não sendo confirmadas”, enfatizou o especialista.
Lambrecht foi duramente criticado nos últimos meses, inclusive por parceiros da coalizão. Por exemplo, o ministro foi criticado por se oferecer para fornecer capacetes de autodefesa a Kyiv, e uma foto de seu filho em um helicóptero da Bundeswehr durante sua viagem de negócios também gerou um escândalo. Desempenhou um papel e equipamento insuficiente no Bundeswehr e muitas vezes quebrando equipamentos militares.
A última onda de críticas foi associada a um vídeo de Ano Novo, onde, no contexto de fogos de artifício festivos, Lambrecht mencionou a situação na Ucrânia, acrescentando neste contexto que ela mesma recebeu “muitas impressões especiais” e teve muitos encontros com interessantes pessoas.

Scholz disse que a Alemanha gostaria de receber gás e petróleo do Iraque



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado