A Grã-Bretanha experimentou o maior surto de escarlatina em 70 anos em 2022

MOSCOU, 13 de janeiro – RIA Novosti. O Reino Unido está enfrentando um número recorde de casos de escarlatina em 2022, o maior surto desde a década de 1950, informou o Daily Mail na sexta-feira.
Em 2022, a Agência Britânica de Saúde Pública (UKHSA) registrou 54.430 casos de escarlatina na Inglaterra e no País de Gales em 2022, mais de 20 vezes mais do que no ano anterior. Este foi um recorde desde 1953, quando foram registrados 61.180 casos de infecção, diz o artigo.

Escarlatina: como distinguir da angina e tratar – instruções para os pais

O número de casos aumentou acentuadamente no final do ano devido a um surto de infecção estreptocócica (grupo A) que causa escarlatina e outras doenças. Um total de 38 crianças morreram como resultado da infecção na Grã-Bretanha, informa o jornal.
A agência informou no dia anterior que a incidência havia começado a diminuir, mas os especialistas em saúde continuam monitorando cuidadosamente a situação, observa o jornal.

O hospital informou sobre a condição de Nikita Mikhalkov

Segundo especialistas, um dos motivos para o aumento acentuado da incidência foram os períodos de lockdown durante a pandemia do coronavírus. A falta de contato entre as crianças levou a uma diminuição da resistência imunológica e tornou o corpo mais suscetível a infecções, escreve o Daily Mail.
Anteriormente, a publicação relatou que no Reino Unido há uma escassez de antibióticos no contexto de um aumento no número de casos de infecção por estreptococos (grupo A). O motivo da escassez, em especial, foi o aumento das doenças sazonais. A situação também pode ser agravada por novas instruções da Agência de Saúde do Reino Unido (UKHSA) aos médicos para que passem uma receita em caso de suspeita de infecção estreptocócica, cujos sintomas iniciais são semelhantes a um resfriado. Por sua vez, a vice-ministra da Saúde britânica, Maria Caulfield, desmentiu informações sobre a escassez de antibióticos no país. No entanto, posteriormente as autoridades do país incluíram vários antibióticos eficazes contra infecções estreptocócicas na lista de drogas proibidas para exportação.

Refugiado ucraniano nega atendimento médico na Escócia, escreve a mídia



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado