Reino Unido oferecerá testes de COVID-19 para pessoas que chegam da China

MOSCOU, 10 de janeiro – RIA Novosti. A Agência de Saúde Pública do Reino Unido (UKHSA) anunciou que está começando a oferecer testes de COVID-19 para passageiros que chegam da China.
“O programa oferecerá zaragatoas para testes de PCR em até 20% das chegadas de voos selecionados. Testes positivos serão enviados para sequenciamento e análise. Qualquer pessoa que receber um teste é incentivada a fazê-lo, embora esse teste não seja obrigatório para chegadas”, disse a Agência de Saúde em um comunicado.

Revista Vaccines confirma eficácia da vacina Sputnik V

No final de dezembro, foi relatado que as chegadas da China à Inglaterra seriam solicitadas a fazer testes de coronavírus antes da partida. Ao mesmo tempo, o teste obrigatório após a chegada não é fornecido.
Anteriormente, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que a China considera discriminatória a exigência de vários países para testes de PCR de todos os passageiros que chegam da China, Pequim pede o abandono dessa prática e pretende tomar medidas de resposta equivalentes.

Mídia: agências de inteligência britânicas encontraram um sensor chinês em um carro do governo

Em dezembro do ano passado, as autoridades chinesas começaram a enfraquecer ativamente a política anti-COVID, que por quase três anos permaneceu a mais dura do mundo, afetando negativamente a economia, a produção global e as cadeias de suprimentos, o turismo e as trocas interestaduais. Um ajuste significativo nas medidas ocorreu após uma onda de protestos nas maiores áreas metropolitanas do país exigindo a suspensão dos bloqueios, a interrupção dos testes regulares de PCR em larga escala e o início de uma política de flexibilização das medidas antiepidemiológicas. Desde 8 de janeiro, como parte de um afastamento da política de “tolerância zero” para o coronavírus, a quarentena e os testes de PCR para pessoas que chegam do exterior foram totalmente cancelados.
Ao mesmo tempo, o país vive um aumento na incidência de COVID-19, cujo status, desde 8 de janeiro, as autoridades chinesas transferiram da classe “A”, que inclui doenças especialmente perigosas, para uma classe menos perigosa “B”. Diante do aumento da incidência na China, vários países decidiram endurecer as medidas para os passageiros que chegam da China. Em particular, Japão, EUA, Itália, Coréia do Sul obrigam quem chega da China a fazer testes para COVID.

Operadores turísticos fazem primeiras viagens à China



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado