O ex-chefe do Ministério da Defesa da Moldávia instou a fortalecer as relações com a OTAN

CHISINAU, 7 de janeiro – RIA Novosti. A Moldávia, para garantir a sua própria segurança, deve entrar em coligação com outros Estados e estreitar as relações com a NATO, afirmou o antigo ministro da Defesa da República, Vitaly Marinuta.
“Em 2023, para garantir a segurança dos cidadãos e territórios, a Moldávia terá que se afastar o máximo possível do conceito de neutralidade e entrar em coalizões com outros estados que possam nos ajudar a garantir a segurança nacional, especialmente militar. Aqui eu vemos um aprofundamento das relações com a UE em todas as áreas, e no campo da segurança militar – com a OTAN”, disse Marinuta em comentário a Ziarul de Garda.
Segundo ele, existe o risco de desestabilização social na Moldávia, principalmente nas vésperas das eleições locais deste outono. Isso será facilitado pelas crises econômica e energética que a república já enfrentou no ano passado.
De acordo com a constituição da Moldávia, a república tem um status neutro, mas desde 1994 o país coopera com a OTAN como parte de um plano de parceria individual.

A Moldávia recebeu US$ 30 milhões dos EUA para superar a crise energética

[ad_2]

Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado