Bielorrússia conclui investigação sobre o caso NEXTA

MINSK, 21 de dezembro – RIA Novosti. O Comitê de Investigação da Bielo-Rússia anunciou que abriu um processo contra os líderes do grupo NEXTA de canais do Telegram, reconhecido como organização terrorista na república, para organizar um julgamento à revelia.
Em abril, o Supremo Tribunal da Bielo-Rússia reconheceu o grupo de canais Telegram NEXTA como uma organização terrorista. Apoiadores da oposição bielorrussa durante o período de protestos em massa após as eleições presidenciais de 2020 coordenaram suas ações por meio dos canais do Telegram, um dos mais populares foi o canal NEXTA.

Comitê Investigativo da Bielo-Rússia iniciou produção especial contra membros do centro “Primavera”

“O Departamento Principal de Investigação de Crimes na Esfera do Crime Organizado e Corrupção do Comitê Investigativo, em um processo especial, concluiu uma investigação preliminar contra Putilo, Rudik, líderes da organização terrorista NEXTA. Canal Telegram.
De acordo com o Comitê de Investigação, foi aberto um processo contra Stepan Putilo, que está fora da Bielorrússia, sob 11 artigos do código penal, Yan Rudik – sob 10 artigos.
Conforme relatado anteriormente no departamento, Putilo foi acusado de conspiração para tomar o poder do Estado, incitar o ódio, organizar motins em massa, violação grosseira da ordem pública, incitar a prejudicar a segurança nacional, criar uma formação extremista, arrecadar fundos para apoiar atividades extremistas, organizar atos terroristas atividades, caluniar e insultar o presidente, desacreditando a Bielorrússia.
Rudik é acusado de conspiração para tomar o poder do Estado, incitar a discórdia, organizar motins em massa, violar grosseiramente a ordem pública, apelar para prejudicar a segurança nacional, apelar para prejudicar a segurança nacional, criar uma formação extremista, arrecadar fundos para apoiar atividades extremistas, caluniar e insultar o presidente, desacreditando a Bielorrússia. Eles podem pegar até 15 anos de prisão.
Após as eleições presidenciais realizadas na Bielo-Rússia em 9 de agosto de 2020, vencidas pela sexta vez por Alexander Lukashenko, que, segundo o CEC, conquistou 80,1% dos votos, ocorreram protestos maciços da oposição no país, para reprimir quais as forças de segurança, entre outras coisas, usaram meios e equipamentos especiais. Em 11 de fevereiro de 2021, a KGB da Bielo-Rússia afirmou que as manifestações de protestos praticamente desapareceram. Na Bielorrússia, foram abertos processos criminais contra vários líderes da oposição, incluindo pedidos de tomada do poder, criação de uma formação extremista, conspiração para tomar o poder do Estado de forma inconstitucional e tentativa de ato terrorista.

Comitê Investigativo da Bielo-Rússia iniciou produção especial contra Tsepkalo



Conteúdo traduzido por RJ983

Agência RIA Novosti – Verificado