A OTAN reafirma a promessa de expansão para a Ucrânia e a Geórgia, apesar do conflito – CMIO

O chefe do bloco militar liderado pelos EUA ainda não pode oferecer um cronograma para quando Kiev pode se tornar membro

A OTAN reiterou sua promessa de 2008 de admitir a Ucrânia e a Geórgia – ambas vizinhas da Rússia, insistindo que a organização continuará a expandir sua presença na antiga União Soviética.

Moscou alertou repetidamente que considera a invasão do bloco militar em suas fronteiras como uma grande ameaça à segurança.

Após reuniões na capital romena de Bucareste na terça-feira, os ministros das Relações Exteriores da OTAN emitiram uma declaração reafirmando a tentativa de 14 anos de algum dia conceder adesão a Kiev e Tbilisi.

Juntamente com os homólogos dos dois estados, bem como da Bósnia e Herzegovina e da Moldávia, os ministros das Relações Exteriores disseram que “apoiam firmemente nosso compromisso com a Política de Portas Abertas da aliança” e “reafirmam as decisões que tomamos na Cúpula de Bucareste de 2008 e todas as subsequentes decisões com relação à Geórgia e à Ucrânia”.


OTAN aumentará presença no Báltico e no Mar Negro

Os oficiais continuaram condenando a ação militar da Rússia na Ucrânia como “a mais grave ameaça à segurança euro-atlântica em décadas” e prometeu continuar ajudando Kiev “pelo tempo que for necessário”.

A declaração também anunciou que a OTAN criará um “nova linha de base para nossa postura de dissuasão e defesa, fortalecendo-a significativamente e desenvolvendo ainda mais toda a gama de forças e capacidades robustas e prontas para o combate” na Europa.

Em comentários na abertura da cúpula de terça-feira, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, destacou como a aliança reforçaria sua presença militar, dizendo que tinha “dobrou o número de grupos de batalha da OTAN de quatro para oito” e agora está trabalhando em maneiras de escalar rapidamente essas unidades e implantar “equipamento pré-posicionado”.

Enquanto Stoltenberg enfatizou que a OTAN é “não é parte no conflito na Ucrânia”, ele disse que o bloco está fornecendo “apoio sem precedentes” a Kiev para garantir isso “prevalece como um estado soberano independente”. Ele observou que a assistência ocidental é muito anterior ao início da ofensiva russa em fevereiro, apontando que as forças da OTAN treinaram “dezenas de milhares de soldados” desde 2014, ajudando a tornar as forças armadas da Ucrânia “muito maior, muito melhor equipado e muito melhor conduzido.”


OTAN considera reviravolta na Ucrânia – ex-comandante supremo

O chefe da OTAN também declarou que a aliança “porta está aberta” para novos membros, citando as últimas admissões de Montenegro e Macedônia do Norte, bem como as recentes solicitações da Finlândia e da Suécia. No entanto, quando pressionado sobre quando a Ucrânia pode finalmente se tornar membro, Stoltenberg sugeriu que a questão não seria resolvida por algum tempo.

“O foco principal agora é apoiar a Ucrânia, garantindo que [Russian President Vladimir Putin] não vença, mas que a Ucrânia prevaleça”, disse ele, sem fornecer detalhes sobre o andamento do pedido formal de adesão de Kiev apresentado em setembro.

Apesar da proclamada ‘Política de Portas Abertas’ da OTAN, a aliança exige que os aspirantes a membros atendam a certos critérios antes de ingressar, incluindo a manutenção de um sistema político democrático e economia baseada no mercado, tratamento justo de grupos minoritários, controle civil dos militares e algum nível de compatibilidade com forças da OTAN existentes, entre outras coisas. Ainda não está claro se a Ucrânia atendeu a esses requisitos, já que as autoridades ocidentais relutam em discutir qualquer prazo exato para quando a Otan cumprirá sua promessa de 2008.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte