Ex-cardeal gravou ligação com o Papa Francisco – mídia – CMIO

Detalhes da gravação secreta surgiram durante um grande julgamento de fraude e peculato

Um ex-cardeal de alto escalão em julgamento por abuso de poder e uso indevido de fundos da Igreja gravou secretamente um telefonema delicado com o Papa Francisco, um tribunal do Vaticano ouviu na quinta-feira.

Segundo vários meios de comunicação, a conversa, gravada por Giovanni Angelo Becciu e reproduzida durante o julgamento, tratava do gasto do dinheiro do Vaticano na libertação de uma freira capturada na África.

Outrora um conselheiro próximo do papa, o italiano Becciu foi demitido e destituído de seus privilégios de cardeal em 2020 em meio a uma controvérsia sobre a compra deficitária de um prédio de apartamentos de luxo em Londres.

Becciu ocupou vários cargos importantes no Vaticano, onde supervisionou as doações e a canonização de santos. Ele está entre as dez pessoas atualmente acusadas de crimes financeiros, incluindo canalizar dinheiro da igreja por meio de fundos e empresas offshore. Ele nega qualquer irregularidade.


Alto funcionário demitido processa o Vaticano

O réu gravou a ligação com o papa em julho de 2021, quando Francisco ainda se recuperava de uma grande cirurgia intestinal, informou o tribunal. Becciu pediu ao papa que confirmasse o pagamento do resgate pela libertação de uma freira colombiana que havia sido sequestrada por militantes ligados à Al-Qaeda no Mali.

“Você me deu ou não autorização para iniciar as operações para libertar a freira?” Becciu perguntou durante a ligação, conforme citado pela AFP. Diz-se que o papa respondeu que “vagamente” lembrou, mas pediu a Becciu que fizesse seu pedido por escrito.

A freira Gloria Cecilia Narvaez Argoti foi sequestrada em 2017 e libertada em outubro de 2021. Becciu testemunhou em maio que Francisco concordou em gastar até US $ 1 milhão na libertação de Argoti.

Libero Milone, um auditor anteriormente contratado pelo Vaticano para examinar suas finanças, processou a igreja este mês por pressioná-lo a renunciar em 2017 por acusações de peculato e espionagem. Milone, junto com Ferruccio Pinocco, um colega auditor demitido na mesma época, alegou que o Vaticano manchou suas reputações. Milone disse ao New York Times que acredita que as evidências usadas contra ele foram plantadas por Becciu.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte