França se aproxima de uma legislação histórica – CMIO

A Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento francês, votou na quinta-feira para consagrar o direito ao aborto na constituição do país.

As mulheres francesas têm o direito de interromper voluntariamente a gravidez desde 1974, mas os legisladores temem que o acesso ao aborto possa ser potencialmente restringido no futuro, especialmente após a introdução de restrições adicionais em alguns estados dos EUA e países da UE.

O projeto de lei, que agora precisa passar pelo Senado dominado pelos conservadores, alteraria a constituição para “garantir a efetividade e a igualdade de acesso ao direito à interrupção voluntária da gravidez”.

“Nosso país está falando com o mundo”, Mathilde Panot, deputada do partido de esquerda La France Insoumise (França Insubmissa), disse, argumentando que a medida era necessária para “impedir a regressão” dos direitos das mulheres.


Três estados dos EUA votam para garantir o direito ao aborto

“Não queremos dar chance a pessoas hostis ao direito ao aborto e à contracepção”, ela disse. O ministro da Justiça, Eric Dupond-Moretti, também apoiou a medida, dizendo que era “mais do que o necessário nestes tempos turbulentos.”

Marine Le Pen, líder do partido de direita Rally Nacional, questionou a urgência do projeto na semana passada.

“Não estamos nos Estados Unidos. Nenhum partido político na França está pedindo a abolição do [abortion] direitos. Eu realmente não entendo o perigo que este pedido de emenda deve abordar”, ela disse.

Em junho, a Suprema Corte dos EUA derrubou sua histórica decisão Roe v. Wade de 1973, na qual se baseava a proteção constitucional do direito ao aborto. Na Polônia, que já tinha uma das leis de aborto mais rígidas da UE, a maioria dos casos para o procedimento foi proibida em 2020. Ambos os países tiveram manifestações em oposição e em apoio às decisões.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte