CNN: contas de redes sociais de militares dos EUA tentaram influenciar discurso na Ásia Central


Pessoas “associadas ao Exército dos EUA” pareceram estar ligadas a uma rede de dezenas de contas do Facebook e Instagram promovedoras de conteúdo pró-americano para o Afeganistão e a Ásia Central, noticiou na terça-feira (22) a emissora norte-americana CNN, citando a Meta (com atividades proibidas na Rússia por serem consideradas extremistas).
O gigante de TI disse que removeu mais de 30 contas do Facebook e mais de 20 do Instagram por terem “comportamento inautêntico coordenado”, uma violação da política da plataforma. No entanto, a Meta não especificou as unidades militares envolvidas nos casos. A CNN também abordou o Pentágono e o Comando Central dos EUA, o último dos quais é responsável pelas operações norte-americanas no Oriente Médio e na Ásia Central.
Os documentos obtidos pela CNN dos pesquisadores da empresa de análise Graphika e do Observatório da Internet de Stanford, Califórnia, EUA, que documentaram a atividade em um relatório de agosto, indicavam que os americanos estavam tentando ajudar o Tajiquistão a assegurar sua fronteira com o Afeganistão, e que Washington era fulcral para a estabilidade regional.
Panorama internacional

Presidente iraniano acusa EUA de ‘terrorismo da informação’ em um mundo inevitavelmente multipolar

Os comentários tiveram sua maior atividade “durante períodos de importância estratégica para os EUA”, incluindo nos meses anteriores à retirada caótica dos militares americanos em agosto de 2021. Os autores das contas teriam tentado “ocultar suas identidades” para isso.
Um oficial militar dos EUA, que em 2018 e 2019 se focou na suposta influência maligna da Rússia e questões cibernéticas no Conselho de Segurança Nacional americano em 2018 e 2019, lamentou o que disse ter sido uma operação de influência ineficaz.
“Eu entendo o impulso que prevalece nos círculos militares, de que ‘a única maneira de perder é não jogar’ no domínio da informação. No entanto, se sua metodologia joga fora a transparência e credibilidade que os EUA querem reivindicar como referência de uma alternativa ao modelo russo ou chinês, a recompensa realmente vale a pena?”, perguntou Gavin Wilde, que também é acadêmico sênior do Carnegie Endowment for International Peace (CEIP, na sigla em inglês), à CNN.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor