Mundo

A estratégia russa com Lavrov e a 'linha vermelha' entre EUA e China: como foi a Cúpula do G20?

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







Líderes das grandes economias do mundo se reuniram, entre os dias 15 e 16 de novembro, na 17ª Reunião de Cúpula do G20, em Bali, na Indonésia. Estiveram presentes representantes dos principais atores da geopolítica global, como os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da China, Xi Jinping.
A Rússia, por sua vez, preferiu designar o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, para o evento, enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, permaneceu em Moscou.
A escolha foi uma estratégia russa contra a midiatização ocidental da ida de Putin e em prol de uma articulação política internacional mais efetiva com Lavrov nos bastidores da cúpula, em meio aos debates sobre o conflito na Ucrânia e nas fronteiras russas.
É o que aponta Eden Pereira Lopes da Silva, professor de história na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Ásia, África e Relações Sul-Sul (NIEAAS). O especialista participou do 134º episódio do podcast Mundioka, que foi ao ar nesta quinta-feira (17).
No programa, comandado por Melina Saad e Thaiana de Oliveira, o especialista destrinchou as relações bilaterais entre as principais economias mundiais e os interesses de cada nação relacionados à cúpula.

“Com o foco da mídia ocidental de buscar colocar a Rússia contra a parede, acaba gerando a possibilidade de uma ida ser completamente midiática. Mas a ida do Lavrov foi importante. Embora com menos foco midiático, acabou tendo melhores condições de articular”, aponta Lopes da Silva.

© Sputnik / Pavel BednyakovO ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, participam de uma reunião à margem da cúpula dos líderes do G20, em Bali, na Indonésia, em 15 de novembro de 2022

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, participam de uma reunião à margem da cúpula dos líderes do G20, em Bali, na Indonésia, em 15 de novembro de 2022. Foto de arquivo
O especialista lembra que esta não é a primeira vez que Putin deixa de ir ao G20. Ele diz que o G20 tem papel importante na diplomacia mundial, mas muitos países ocidentais, como os próprios EUA e membros da União Europeia (UE), vêm tentando esvaziá-lo para não dar palco a outros atores políticos.
“Boa parte dos países hoje do G20 é alinhada aos EUA. Isso faz os russos enxergarem que a presença deles é importante, mas não relevante para resolver boa parte dos problemas relacionados ao conflito que existe de maneira aberta com os EUA”, explica o professor da UERJ.
O chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou, na terça-feira (15), que o Ocidente tentou politizar a declaração final do G20 para passar uma mensagem de condenação da Rússia.
“Temos repetidamente confirmado através das palavras do presidente [Vladimir Putin] que não recusamos negociações, se alguém está se recusando é a Ucrânia. E quanto mais tempo ela recusar, mais difícil será negociar”, disse Lavrov.
“Ele acabou não tendo muito espaço no G20. Não tira muitas fotos, não deu grandes conferências. Ele próprio [Lavrov] se predispôs a ir a cúpula para fazer muito mais articulações diplomáticas do que atender a conferências nos temas tratados”, indica Lopes da Silva.
Edifício que sedia a Organização das Nações Unidas (ONU) visto a partir do salão da Assembleia Geral, em 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 16.11.2022

Operação especial militar russa

‘Deixou de ser imparcial’: decisão contra Rússia reforça necessidade de reforma da ONU, diz analista

Segundo o analista, em todos os espaços internacionais frequentados por Lavrov, o chanceler busca realizar articulações políticas. No G20, por exemplo, ele conversou com Emmanuel Macron, presidente francês, e Olaf Scholz, chanceler alemão, em busca de canais com os EUA visando a resolução do conflito russo-ucraniano, aponta.

“Rússia esteve lá em um perfil de articulação diplomática. Muitos países no Ocidente veem o G20 como um momento de performance, de colocar-se perante a comunidade internacional. Mas os russos não entendem dessa maneira, e sim como um momento em que devem ser feitas as articulações políticas para resolver os verdadeiros problemas mundiais”, diz.

De acordo com o especialista, a diferença de tratamento com relação à cúpula ficou exposta em alguma medida por países que participaram, como a própria anfitriã. Ele avalia que a Indonésia indicou que o evento deveria ser palco de mais articulações diplomáticas, com o objetivo de contribuir com o fim das tensões e dos conflitos geopolíticos do momento.
“É notável perceber como a Indonésia teve um papel relevante ao longo desse ano, não só na organização, mas em todas as articulações políticas que ocorreram em torno da cúpula”, afirma o especialista, que também destacou a forte presença de países africanos e asiáticos: “A ausência deles nos principais fóruns internacionais de negociação acaba trazendo um efeito de necessidade de reordenamento internacional, acho que isso ficou muito claro com a cúpula do G20.”
Bombas de gasolina em Frankfurt, na Alemanha - Sputnik Brasil, 1920, 17.11.2022

Panorama internacional

Ante sanções russas, alta de preço do petróleo foi ‘erro de cálculo da política externa dos EUA’

China x EUA

Um dos pontos altos da cúpula foi o encontro de Xi Jinping com Biden. A escalada das tensões entre Pequim e Washington, em meio à ascensão econômica chinesa neste século, cresceu ainda mais neste ano após a visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan.
A democrata aterrissou em Taipé no dia 2 de agosto, com caças chineses se dirigindo ao estreito de Taiwan como resposta. Após o episódio, a China deu diversos recados aos EUA para deixarem de interferir em questões internas do país.
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Wang Wenbin, por exemplo, classificou a ida de Pelosi a Taiwan como uma provocação à China, contrariando a política de “uma só China”, já declarada oficialmente pelos EUA.
Durante a cúpula do G20, em Bali, o presidente chinês instou seu homólogo estadunidense a transformar os compromissos do país com Pequim em relação a Taiwan em ações concretas.

© AFP 2022 / SAUL LOEBO presidente da China, Xi Jinping (à esquerda), e o presidente dos EUA, Joe Biden, se reúnem à margem da cúpula do G20, em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, em 14 de novembro de 2022

O presidente da China, Xi Jinping (à esquerda), e o presidente dos EUA, Joe Biden, se reúnem à margem da cúpula do G20 em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, em 14 de novembro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.11.2022

O presidente da China, Xi Jinping (à esquerda), e o presidente dos EUA, Joe Biden, se reúnem à margem da cúpula do G20, em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, em 14 de novembro de 2022. Foto de arquivo
O líder chinês afirmou que a questão de Taiwan está no “cerne dos interesses centrais da China” e que essa é “a primeira linha vermelha que não deve ser cruzada” nos laços bilaterais entre as nações.
“A China vem ganhando destaque, sobretudo pela expectativa do papel de Xi nas negociações diplomáticas, não só em relação a conflitos, mas em várias outras questões, como a reorganização do modelo econômico mundial e o combate às mudanças climáticas”, avalia Lopes da Silva.
Para o pesquisador, realmente a única “linha vermelha” do ponto de vista político e militar entre EUA e China é a questão de Taiwan. Porém, segundo ele, “tudo depende de algo que vá além de palavras, vindo por meio de gestos”.

“Os chineses esperam e têm a expectativa de que, para além desses discursos haja ações práticas na direção de desescalar as relações entre EUA e China”, explica o especialista. “Mas viagens como a de Pelosi provocando abertamente a China não podem acontecer, nem em alguma medida a formação de blocos militares na área do Extremo-Oriente, como está acontecendo hoje.”

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, participa da cúpula da ASEAN 2022 em Phnom Penh, Camboja - Sputnik Brasil, 1920, 13.11.2022

Panorama internacional

Lavrov: EUA e OTAN tentam militarizar a Ásia-Pacífico para expandir influência regional da aliança

Ausência de Bolsonaro

O especialista comentou também a ausência do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que decidiu cancelar sua participação na conferência após ser derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições de outubro e não conseguir ser reeleito. Lopes da Silva acredita que essa ausência se deu por vários motivos, mas é principalmente uma consequência do isolamento internacional do atual governo neste momento.

“Primeiro porque ele é isolado internacionalmente hoje, ele não possui articulação ou proximidade com nenhum líder ou chefe de Estado em nenhum pais do mundo. Mesmo os mais ou menos próximos — como o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán — acabam não tendo uma aproximação tão grande com o Bolsonaro e também não são personalidades que possuam uma grande relevância internacional.”

O professor da UERJ destaca que embora o peso do Brasil seja importante, a presença de Bolsonaro na cúpula, na atual situação, não faria muita diferença.

“O chanceler brasileiro, Carlos França, foi à cúpula do G20 mas não teve muito o que fazer ou articular, até porque estamos em um momento de transição […] e vamos repaginar nossa diplomacia”, aponta.

Lopes da Silva entende que o Brasil pode ter um papel muito importante diante do cenário de crise global, em especial pela questão do desabastecimento de alimentos. O especialista entende que o Brasil, por ser um grande produtor de alimentos e pelo sua experiência de combate à fome e à miséria, tem grande relevância.

“O Brasil certamente terá um papel muito importante, não só nessa questão diplomática mais ampla, no que diz respeito a paz e guerra, não só na Ucrânia, mas em outros conflitos internacionais, e sobretudo outras questões também que tivemos presença muito importante no início do século, como o combate à fome e às mudanças climáticas.”



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.