Mundo

Venezuela condena renovação das sanções da União Europeia contra o país

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela rechaçou no sábado (12) a renovação, por mais um ano, das sanções impostas pela União Europeia (UE) contra o país sul-americano, considerando que são ilegais e limitam o acesso da população a medicamentos e alimentos.
Na sexta-feira (11) a UE anunciou a renovação, até 14 de novembro de 2023, das sanções contra várias pessoas ligadas à administração de Nicolás Maduro.
“As medidas coercivas unilaterais aplicadas ilegalmente pela União Europeia de forma premeditada, castigam e violam maciçamente os direitos humanos do povo venezuelano, já que suas consequências indiretas acabam limitando o acesso a alimentos, medicamentos, insumos primários, máquinas, peças de reposição e equipamentos necessários para garantir os direitos fundamentais e assegurar o desenvolvimento normal de nossa sociedade”, diz o comunicado.
Panorama internacional

EUA estudam aliviar sanções contra a Venezuela e importar petróleo do país

Caracas destacou o fato de a decisão “anacrônica” ter sido anunciada no mesmo dia em que Emmanuel Macron, presidente da França, expressou sua disposição de apoiar as negociações entre o governo venezuelano e um setor da oposição.
“É inconsistente e constitui uma bofetada à iniciativa francesa chamada Fórum pela Paz […] Repudiamos a política insalubre de recorrer a essas ferramentas de chantagem política, contrárias aos princípios democráticos e dos direitos humanos, instituindo uma prática perigosa contrária aos princípios do direito internacional e da coexistência pacífica entre os Estados”, aponta a chancelaria venezuelana.
Ela acrescenta que, com esta decisão, Bruxelas “pretende insistir em uma estratégia completamente errada, com a qual a UE não conseguiu, nos últimos cinco anos, alcançar seu objetivo de derrubar o governo bolivariano”.
Entre as pessoas sancionadas há mais de quatro anos estão Delcy Rodríguez, vice-presidente da Venezuela, e Tareck El Aissami, ministro do Petróleo, além de militares, funcionários eleitorais e da justiça, deputados e governadores.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.