Mundo

Argentina busca negociações sobre antigo conflito com o Reino Unido — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Com a Grã-Bretanha entrando em negociações para entregar seus outros vestígios imperiais, Buenos Aires quer as Malvinas de volta

O Ministério das Relações Exteriores da Argentina solicitou nesta quinta-feira que o Reino Unido cumpra uma resolução da ONU e retome as negociações sobre a soberania das Ilhas Malvinas (Falkland). O pedido veio depois que Londres concordou em negociar com Maurício sobre o futuro das Ilhas Chagos.

O secretário de Relações Exteriores britânico, James Cleverly, disse na quinta-feira que o Reino Unido quer “resolver todos os problemas pendentes” com Maurício sobre o arquipélago de Chagos, um território britânico no Oceano Índico desde 1814 que permaneceu sob controle britânico depois que Maurício conquistou sua independência do Reino Unido em 1968. Ignorada por Londres por décadas, uma resolução da ONU obriga a Grã-Bretanha a chegar a um acordo com Maurício sobre as ilhas.

Guillermo Carmona, funcionário do Ministério das Relações Exteriores da Argentina, disse que a decisão do Reino Unido de entrar em negociações com Maurício marca “um dia transcendental para todos os povos que lutam para acabar com o colonialismo”.


Plano secreto do Reino Unido para a Guerra das Malvinas revelado

Carmona disse que, assim como está honrando a resolução da ONU sobre as Ilhas Chagos, a Grã-Bretanha “deve cumprir a resolução 2065 sobre a Questão das Malvinas”. A resolução em questão pede que Londres e Buenos Aires negociem a soberania sobre as ilhas, que são chamadas de Malvinas pela Argentina e Malvinas pelo Reino Unido.

A Grã-Bretanha administra as ilhas desde 1833 e venceu uma guerra com a Argentina por causa delas em 1982. A Argentina ainda reivindica soberania sobre o arquipélago, no entanto, argumentando que as adquiriu da Espanha quando conquistou sua independência em 1816.

Enquanto a Argentina faz apelos regulares à Grã-Bretanha para honrar a resolução 2065, o Reino Unido se recusa. A Grã-Bretanha insiste que um referendo de 2013 – no qual quase 100% dos 3.400 residentes das ilhas votaram para permanecer um território britânico ultramarino – torna as negociações inúteis.

Sexta-feira marca o 40º aniversário da resolução 37/9 da Assembleia Geral da ONU, que afirmou que “a manutenção de situações coloniais é incompatível com o ideal de paz universal das Nações Unidas”, e instou o Reino Unido e a Argentina a “encontre uma solução pacífica” à disputa Malvinas/Falklands.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.