Mundo

ONU analisa pedido de Cuba sobre fim do embargo econômico dos EUA

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







O projeto de resolução, que será votado na quinta-feira (3), expressa sua “preocupação” com a manutenção do embargo econômico e seus “efeitos negativos sobre a população cubana“.
Na resolução, Cuba defende a “não ingerência em seus assuntos internos” e a “liberdade de comércio e de navegação” para exigir o fim do embargo, imposto em fevereiro de 1962, durante a Guerra Fria.
“Ilegal”, “inaceitável”, “criminoso”, “desumano”, “agressão econômica”: estes foram alguns dos adjetivos mais usados por cerca de 30 palestrantes que falaram hoje (2). Presente na sessão, o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, deve se dirigir ao plenário na quinta-feira (3).
Debate ocorre ma Assembleia Geral das Nações Unidas sobre o tema “Necessidade de acabar com o bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos EUA contra Cuba. “Nossa justa reivindicação de vida melhor sem bloqueio terá o apoio renovado da comunidade internacional”.
Entre as intervenções desta, o portal Telesur destacou a presença dos representantes diplomáticos na ONU da Venezuela, Rússia, China e Bolívia, que concordaram em condenar o bloco que Washington impõe a Havana há mais de 60 anos.
Panorama internacional

Mundo à beira da catástrofe: 60 anos da crise dos mísseis e bloqueio naval de Cuba

Um relatório preparado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, a pedido da Assembleia Geral, conclui que “a continuação do bloqueio financeiro e comercial dos Estados Unidos contra Cuba é incompatível com um sistema baseado no Estado de Direito“.
Esta é a 30ª resolução apresentada por Cuba desde 1992 contra o embargo dos Estados Unidos. Na primeira resolução de 1992, apenas 59 países votaram a favor. Agora ela tem o apoio de quase todos os membros da ONU, com exceção dos Estados Unidos e Israel.
Segundo as autoridades cubanas, o embargo causa prejuízos econômicos de US$ 154 bilhões (R$ 792 bilhões) atuais à ilha. De acordo com o governo cubano, isso teria se traduzido em um crescimento de 4,5% na economia.
Nos últimos anos, os Estados Unidos justificaram seu embargo contra Cuba por duas questões: violações de direitos humanos e apoio de Havana ao governo de Nicolás Maduro na Venezuela.
O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, discursa na 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, na sede da ONU, 21 de setembro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.10.2022

Panorama internacional

Cuba chama embargo comercial dos EUA de ‘verdadeiro furacão’ e ‘pandemia’ que nunca acabam





Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.