Mundo

A especulação de Hu Jintao é a última instância da mídia iluminando o público sobre a China — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Quando o ex-líder comunista foi escoltado para fora do congresso do partido, rapidamente surgiram especulações de um ‘expurgo’

Por Timur Fomenkoanalista político

Durante o 20º congresso nacional do Partido Comunista da China, a mídia irrompeu com uma breve cena em que o ex-líder do país, Hu Jintao (2002-2012), parecia ter sido removido do pódio, sentado ao lado de Xi Jinping. A mídia estatal chinesa disse que ele não estava se sentindo bem, mas a cobertura no Ocidente rapidamente trouxe à tona a palavra “expurgo”, deliberadamente contrastando com sua forma mais coletiva de liderança em comparação com a centralização “de um homem só” de Xi.

A ideia de que um ex-líder nacional, agora com 79 anos de idade, foi ‘expurgado’ publicamente em imagens de televisão ao vivo de um evento político ultra importante, é nada menos que ridícula. No entanto, é aqui que estamos hoje em termos de cobertura da China contemporânea. Mesmo bem mais de uma semana após o suposto incidente, artigos da mídia continuam a chegar, especulando sobre o destino do ex-secretário-geral, invocando paranóia e negatividade em relação à China e descartando a explicação lógica de que ele poderia ter deixado o evento devido a “doença de saúde”.


Ex-líder chinês sai abruptamente da assembleia-chave

A atitude que a mídia ocidental mostrou em relação ao ‘incidente’ de Hu Jintao é representativa de uma cultura mais ampla de gaslighting em relação a todas as coisas da China. Sendo assim, com qualquer oportunidade que possam encontrar, as organizações de notícias corporativas ocidentais vão explodi-las ativamente para criar um curso prolongado de cobertura negativa, especulativa e sensacionalista que eles arrastam repetidamente, com o objetivo de travar uma guerra de ‘opinião pública’ contra Pequim. Nesta atmosfera tóxica, a China é alvo de pequenos detalhes e está sujeita a escrutínio que outros países não conseguem.

Desde que os Estados Unidos começaram a escalar sua campanha contra a China, uma guerra de opinião pública a acompanhou com o objetivo de avançar os objetivos políticos americanos manipulando a conversa global sobre Pequim. Uma rápida olhada nas pesquisas de opinião pública nos países ocidentais mostra o quão devastadora foi essa campanha liderada por Washington. Enquanto jornalistas e think-tankers gostam de afirmar o declínio de opiniões positivas sobre a China como justificativa de suas visões de como a China e as ações de Xi Jinping são “ruins”, a realidade é que tem havido um armamento concentrado e organizado da opinião pública contra China por jornalistas, políticos e especialistas associados aos EUA.

E parte desta campanha envolve essa busca interminável de iluminar cada pequeno detalhe em controvérsia e drama prolongados. Alguns exemplos recentes (mas não exaustivos) disso incluem como a especulação interminável sobre as origens do Covid-19 foi usada para armar teorias da conspiração sobre um suposto vazamento de laboratório na China – um assunto que foi impulsionado pelo Departamento de Estado dos EUA e pela mídia – o suposto desaparecimento público do tenista Peng Shuai, a recente briga fora da Embaixada da China em Manchester, disputas em relação a Taiwan, o impacto das políticas de zero Covid da China, destroços de foguetes chineses caindo do espaço, a lista continua.

O que todas essas histórias têm em comum é como elas simplesmente não acontecem e depois morrem. Eles são arrastados de novo e de novo continuamente até que o próximo item no ciclo de notícias surja. O que os espectadores precisam reconhecer sobre esse padrão de reportagem é que o jornalismo orientado à agenda como esse é, em última análise, seletivo e procura manipular a opinião pública por meio do que escolhe destacar e do que não escolhe destacar. Qualquer especulação que se oponha à China de alguma forma terá cobertura máxima, deliberadamente. O mesmo não pode ser dito de outros países. Por que, por exemplo, alguns ativistas de direitos humanos ou eventos de protesto recebem publicidade, mas outros não? Por que algumas causas são consideradas mais ‘dignas’?


Xi Jinping derrubado?  Por que os rumores mais loucos sobre a China são tão fáceis de espalhar

Além disso, o que o desastre de Hu Jintao também nos ajuda a entender é como o medo discursivo e a ‘imaginação pública’ do comunismo também são usados ​​como ferramenta jornalística para transformar a ‘especulação’ em arma política. A mídia joga com a suposição pública de sigilo, brutalidade e paranóia da China para distorcer situações muito normais para implicar os piores cenários. É por meio disso que a suposição de que a Covid-19 não poderia ter uma ‘explicação natural’ ganhou tanta legitimidade. Nessa mentalidade, cada pequena coisa é vista no contexto de uma teoria da conspiração mais ampla e sinistra com uma agenda comunista oculta. Esse tipo de discurso também permitiu que o medo e a paranóia da ‘influência chinesa’ proliferassem, gerando consentimento para políticas relacionadas à contenção.

Um exemplo é a marca da Huawei como uma ameaça à segurança nacional para que possa ser excluída das redes 5G. Mesmo que a Huawei estivesse nas redes dos países ocidentais por mais de uma década, você pode notar que não era uma ameaça até que de repente se tornou, e é assim que a manipulação funciona.

Portanto, o gaslighting sobre o paradeiro de um homem idoso nada mais é do que manipulação deliberada destinada a armar sentimentos negativos contra a China e lançar uma sombra sobre o 20º congresso do partido, porque eles não querem que Pequim estabeleça sua própria narrativa sobre o evento sob quaisquer circunstâncias.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam necessariamente as da RT.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.