Mundo

Moscou afirma que mais de 70 navios foram detidos por violar regras do acordo alimentar do mar Negro

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







“Durante a implementação da ‘iniciativa do mar Negro’, mais de 70 navios foram detidos e alguns foram suspensos por violações sistemáticas relacionadas ao não cumprimento das regras de navegação no corredor marítimo e tentativas de contrabando em esconderijos especialmente equipados”, afirmou em comunicado sobre a implementação dos acordos de Istambul, a exportação de alimentos ucranianos e a normalização das exportações agrícolas russas.
O Ministério das Relações Exteriores da Rússia enfatizou que um grande congestionamento de navios foi criado artificialmente no porto de Istambul para pressionar os inspetores russos, necessário para afrouxar os controles e acelerar os procedimentos de verificação.
“Esses abusos do corredor humanitário não podem ser ignorados, especialmente devido à investigação em andamento sobre as rotas usadas para entregar os explosivos para o ataque terrorista na ponte da Crimeia em 8 de outubro”, observou também o ministério russo.
Além disso, o ministério informou que a Rússia enviou mais de dez milhões de toneladas de grãos, principalmente trigo, para os países da Ásia e da África.
“Cerca de 10,5 milhões de toneladas de cereais [77% dos quais é trigo] já foram fornecidos para a Ásia [62%] e África [33%]”, diz o comunicado.
Panorama internacional

Em detrimento dos países pobres, o Ocidente recebe a maioria dos grãos ucranianos, revela estudo

A nota acrescenta que antes do final de 2022 a Rússia está pronta para enviar um total de 30 milhões de toneladas de grãos e até “aumentar esse valor para 50 milhões de toneladas, tendo em conta a colheita”.
“O contraste, como dizem, é óbvio: enquanto os produtos ucranianos passam pelo corredor humanitário para a Europa e países desenvolvidos, os suprimentos russos chegam aos necessitados na África e na Ásia”, indica o texto.
A entidade salientou que a Rússia, ao contrário da Ucrânia, é um dos maiores exportadores mundiais de fertilizantes, sem os quais não só os países consumidores de alimentos, mas também os países produtores correm o risco de passar fome.
O ministério também confirmou que a Rússia está disposta a entregar fertilizantes gratuitos aos países mais pobres, mas eles continuam bloqueados em armazéns na Letônia, Estônia, Bélgica e Países Baixos.
“As empresas russas ainda não podem não apenas fornecer fertilizantes comerciais, mas também entregar gratuitamente cerca de 300 mil toneladas da produção aos países mais pobres”, destaca o comunicado do MRE.
A nota especifica que “esses fertilizantes estão principalmente bloqueados em armazéns na Letônia [80%], bem como na Estônia, Bélgica e Países Baixos, cujas autoridades não permitem seu envio através do Programa Alimentar Mundial da ONU”.
Grãos de trigo (imagem ilustrativa) - Sputnik Brasil, 1920, 18.10.2022

Panorama internacional

Turquia recebe garantias dos EUA para entradas de produtos agrícolas da Rússia no mercado

Em 22 de julho, dois documentos inter-relacionados foram assinados em Istambul para tratar do fornecimento de alimentos e fertilizantes aos mercados mundiais. Os documentos constituem um único pacote. O primeiro, um memorando, prevê o compromisso da ONU de suspender várias restrições à exportação de produtos agrícolas e fertilizantes russos para os mercados mundiais. O segundo define um algoritmo para a exportação de produtos agrícolas ucranianos de portos do mar Negro controlados pela Ucrânia. No entanto, como aponta Moscou, o acordo ainda não está funcionando no que diz respeito às exportações da Rússia. O acordo de grãos expira no dia 19 de novembro deste ano, mas as perspectivas de sua extensão ainda não estão claras.
A ONU disse anteriormente que espera que o acordo de grãos seja expandido. De acordo com o porta-voz do secretário-geral da ONU, Stéphane Dujarric, Guterres e sua equipe estão trabalhando na extensão e expansão da iniciativa de grãos do mar Negro. O secretário-geral também discutiu as perspectivas de expandir o acordo de grãos com o presidente russo, Vladimir Putin, em setembro.
Putin, disse que, caso os corredores humanitários para remessas de grãos para países mais pobres estivessem sendo usados para atos terroristas, a aplicação do acordo de grãos seria questionada, mas até agora não houve qualquer confirmação sobre isso.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.