Mundo

Casa Branca mudou política de ataque de drones

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







A publicação ouviu um alto funcionário do governo de Joe Biden, presidente dos EUA, falando sob condição de anonimato. Segundo ele, os EUA revisaram sua política de ataques de drones antiterroristas fora de zonas de guerra.
Descrita em um memorando estratégico, que já foi assinado pelo presidente, a política tem por objetivo minimizar baixas, embora não se aplique às operações de combate no Iraque e na Síria, que permanecem classificados como zonas de guerra pelo governo.
As novas regras limitarão a ação dos EUA em pontos críticos, como Iêmen e Paquistão, bem como no Afeganistão, onde Washington encerrou oficialmente seu envolvimento no ano passado, mas que continua devastado pelo conflito.
Panorama internacional

EUA e Reino Unido conduzem exercício com drones no golfo Pérsico em meio a tensões com Irã (VÍDEO)

De acordo com a nova política, a aprovação do presidente será necessária para adicionar um suspeito de terrorismo à lista daqueles que podem ser mortos. O governo de Donald Trump havia descentralizado o controle sobre essas decisões.
Os ataques nos quais uma pessoa pode ser morta remotamente apenas porque o operador do drone acha que seu comportamento se assemelha ao de um terrorista ficam tecnicamente proibidos.
Permanece, todavia, uma brecha que permite ataques de “autodefesa” em nome de forças parceiras.
A política revisada restabelece a exigência de “quase certeza” de que nenhum civil será ferido. Além disso, os militares devem obter a aprovação do chefe da missão do Departamento de Estado antes de seguir com o ataque planejado.
O drone Phoenix Ghost foi projetado para realizar patrulhamento silencioso - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022

Panorama internacional

EUA vão fornecer 580 novos drones Phoenix Ghost à Ucrânia, mas negam caças

A política declara que os EUA respeitarão a lei doméstica e internacional em relação a seus ataques de drones em outros países, embora não explique como isso poderia ser feito sem o consentimento do governo de um país e sem a ausência de qualquer parecer do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).
O programa de drones dos EUA é notório por seus níveis de “danos colaterais”. Documentos confidenciais vazados em 2015 revelaram que até 90% dos mortos em ataques de drones não eram os alvos pretendidos.
Os assassinatos direcionados por drones começaram sob o governo George Bush (2001–2009), após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e aumentaram sob Barack Obama e Donald Trump, apesar das promessas de cada um de acabar com as guerras dos governos anteriores.
O número de vítimas sob o governo Biden não é conhecido publicamente, pois Trump encerrou a prática de divulgar publicamente essas informações.
Quebra-gelos Lenin no Ártico (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 07.10.2022

Panorama internacional

EUA lançam nova estratégia para o Ártico para competir com China e Rússia na região, diz Casa Branca



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.