Mundo

O que a atual eleição presidencial do Brasil significa para a América Latina e o mundo — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Uma vitória de Lula da Silva pode significar um golpe nas ambições dos EUA e mais relevância para o Brasil no cenário mundial

A tão aguardada eleição presidencial do Brasil concluiu seu primeiro turno na segunda-feira, revelando alguns resultados esperados e também surpreendentes. Maior país e economia da América do Sul, os resultados das eleições finais de 30 de outubro terão profundas consequências para o destino da região e do mundo.

Para resumir o que está acontecendo em poucas palavras, o presidente de extrema-direita do país, Jair Bolsonaro, está programado para ir contra o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva. Ambos representam programas radicalmente diferentes, com o Partido Liberal (PL) de Bolsonaro representando uma agenda pró-corporativa e socialmente conservadora, enquanto o Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula – o partido mais poderoso do Brasil antes da ascensão de Bolsonaro – é pró-trabalhador e mais socialmente liberal .

No primeiro turno, Lula saiu como o claro vencedor com 48,4% dos votos contra 43,2% de Bolsonaro. No número de eleitores, para se ter uma noção de como Lula venceu, o candidato do PT derrotou seu oponente de extrema-direita por mais de seis milhões de votos. Mas ainda assim, como ele não conseguiu a maioria absoluta, a eleição vai para um segundo turno.

Esta foi realmente uma grande exibição para Lula e ficou em linha com o que as pesquisas previam. Como observou Brian Mier, da teleSUR, em um artigo para a BrasilWire, isso é “pela primeira vez desde o retorno à democracia em 1985 que um desafiante já venceu um titular em uma eleição presidencial brasileira no primeiro turno.” Isso é ainda mais impressionante, como continua Mier, considerando o assassinato de Lula pela mídia estatal e da oposição brasileira, e o fato de que ele foi preso injustamente por 580 dias por acusações de corrupção forjadas.


Rivais presidenciais brasileiros vão para segundo turno

Além disso, o Partido dos Trabalhadores teve um ganho maciço no Congresso Nacional de 21% – com um total de 68 deputados. Os aliados do PT também ganharam vários assentos, o que teoricamente poderia aumentar o bloco de votação seguro do partido para mais de 90 votos na câmara baixa de 513 membros. O PT também viu seu número de membros subir para nove no Senado, onde a esquerda brasileira é perenemente sub-representada.

Ainda assim, Bolsonaro e o PL não devem ser subestimados. O presidente de extrema-direita venceu as pesquisas por cinco pontos não insignificantes e seu partido ainda detém o maior número de cadeiras na Câmara e no Senado. Vários fanáticos de Bolsonaro foram eleitos para o Congresso, incluindo o candidato que obteve mais votos de todos, Nikolas Ferreira, em 1,4 milhão. Também podemos lembrar como as perspectivas de uma presidência de Bolsonaro pareciam improváveis ​​há apenas quatro anos.

Certamente me lembro vividamente dos resultados da última eleição presidencial do país em 2018, pois morava com uma brasileira, minha melhor amiga Jasmina, na época. Até tarde da noite da eleição com minha então namorada em nosso apartamento, lembro de ouvir Jasmina chorar pela parede da sala ao lado quando a notícia da vitória de Bolsonaro foi divulgada.

Falei com ela novamente desta vez para ver onde ela está e se talvez os resultados da primeira rodada tenham dado a ela uma reação diferente. Ela disse que se sente “cautelosamente esperançoso” sobre a eleição deste ano. Embora as pesquisas prevejam o resultado desejado da vitória de Lula, ela ainda está ciente de que Bolsonaro tem um forte elenco de apoiadores. Ela também destacou que a participação foi enorme em seu local de votação em Munique, Alemanha – com uma fila de seis a sete horas apenas para votar.

Ela disse que seus principais problemas este ano foram a desigualdade, que ela espera que o próximo presidente trabalhe para reduzir; preservar a Amazônia e as questões que envolvem os povos indígenas e seus direitos; e acesso à educação, que ela diz refletir a divisão entre ricos e pobres no Brasil. Segundo ela, o mandato de Bolsonaro marcou “incríveis passos para trás” sobre essas questões, lembrando que “a quantidade de violência policial, crimes de ódio e preconceito contra toda e qualquer minoria cresceu substancialmente”.


Sanções à Rússia são 'irresponsáveis', diz assessor de Lula

Meu amigo também disse que a reputação internacional do Brasil foi manchada durante os anos de Bolsonaro. Ela observou o país saindo do mapa mundial da fome e se juntando ao BRICS como passos positivos, orquestrados por Lula, que a presidência de Bolsonaro minou. Em contraste, enquanto ela era mais jovem quando Lula era presidente, ela lembra sua presidência de forma positiva. Ela disse que, naqueles anos, “você notou que havia apenas mais apoio para os pobres vindo do governo.”

Jasmina fez um trabalho fantástico ao resumir as questões domésticas mais importantes, ao mesmo tempo em que abordou algumas questões regionais e globais importantes para o Brasil. Regionalmente, uma vitória de Lula marcaria outra em uma série de vitórias de esquerda na América Latina após a vitória de Luis Arce em 2020 na Bolívia, a vitória de Gabriel Boric em 2021 no Chile e a vitória de Gustavo Petro este ano na Colômbia. Cada um deles, menos a vitória de Boric, que se revelou um falso esquerdista covarde, foi um duro golpe para a dominação dos EUA na América Latina e uma vitória para o verdadeiro multilateralismo.

Bolsonaro tem sido um firme defensor das ambições imperialistas do Tio Sam na região, até mesmo ganhando o Brasil a designação de “aliado não-OTAN” da principal aliança militar do Ocidente. O presidente de extrema-direita tem sido um ator-chave nos esforços liderados pelos EUA para derrubar o presidente venezuelano Nicolás Maduro. Ele também apoiou corporações multinacionais americanas em seus esforços para destruir e comercializar as terras da Floresta Amazônica. Lula parece pronto para tudo isso.

Para o mundo, o retorno do presidente de esquerda também tem sérias implicações. Apesar de todas as conquistas de Lula, uma das coisas que muitos esquecem é o quanto sua presidência foi importante para ajudar o Brasil a alcançar sua legítima reputação de país de importação global.

De fato, essa era a ambição de Lula. Ele queria que o Brasil fosse um país importante diplomaticamente, intimamente alinhado com o movimento não alinhado. Por exemplo, o Brasil liderou a carga global na reconstrução do Iraque após a invasão americana. O diplomata brasileiro Sergio Vieira de Mello serviu como representante especial das Nações Unidas para o Iraque antes de ser morto em um atentado a bomba em 2003, que marcou o fim do papel da ONU – e, portanto, dos esforços multilaterais de paz – no país do Oriente Médio.

Lula também ajudou a fundar o BRICS (sigla para Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em 2009, então chamado apenas de BRIC antes da adesão da África do Sul em 2010. O objetivo do grupo desde o início era envolver os países em desenvolvimento mais e reformar as instituições financeiras, melhorando simultaneamente a situação económica mundial, que na altura estava marcada pela crise financeira de 2007-08.


Arqui-inimigos disputam o cargo mais alto do Brasil

Uma questão-chave para o BRICS até hoje é desenvolver alternativas às finanças globais dominadas pelo Ocidente, que foi inicialmente desencadeada pela má administração dos EUA da economia global como o centro financeiro do mundo e agora é em grande parte devido às sanções unilaterais de Washington. Esta é uma discussão extremamente importante que, se Lula vencer, se beneficiaria muito com o esforço renovado do Brasil.

Também poderíamos ver o Brasil desenvolver laços mais estreitos com a China, como alguns outros governos de esquerda latino-americanos fizeram, e se inscrever formalmente na Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI). Embora Bolsonaro não seja um inimigo da China e, de fato, seu governo tenha feito acordos lucrativos com os chineses, ele parou de fazer qualquer movimento que possa levantar as sobrancelhas de seus manipuladores em Washington. Mais uma vez, Lula poderia agitar as coisas juntando-se ao programa de infraestrutura liderado por Pequim.

Mas mesmo com tantas mudanças monumentais na fila até a vitória de Lula, não importa quão favoráveis ​​as pesquisas pareçam ou quão forte foi a demonstração que ele conseguiu reunir no primeiro turno, a eleição deste ano ainda está no ar. Acredito que minha amiga Jasmina disse melhor – e quem se preocupa com o futuro do Brasil deveria ser, como ela disse, “cautelosamente esperançoso” sobre esta eleição e uma possível vitória de Lula.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam necessariamente as da RT.



Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.