Mundo

Cubanos votam pelos direitos dos homossexuais — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Emendas ao Código da Família permitirão casamento entre pessoas do mesmo sexo, adoções gays e barriga de aluguel

Quase quatro milhões de cubanos votaram a favor das emendas apoiadas pelo governo ao Código da Família da ilha em um referendo popular, disseram autoridades de Havana nesta segunda-feira. Os resultados preliminares mostram que mais de 66% dos votos foram a favor da proposta de legalização de uniões entre pessoas do mesmo sexo, barriga de aluguel e adoção de crianças por homossexuais, entre outras coisas.

A participação no referendo de domingo foi de 74% do eleitorado cubano, estimado em 6,25 milhões. De acordo com Conselho Nacional Eleitoral de Cuba, os resultados preliminares mostraram 66,87% dos votos a favor, com 33,13% contra.

Dos 5.892.705 votos emitidos, 3.936.790 foram SIM, enquanto a opção NÃO obteve 1.950.090 votos, disse a presidente do NEC, Alina Balseiro. Embora os resultados sejam preliminares e algumas delegacias ainda estejam contando, o resultado foi “irreversível,” ela adicionou.

“Acho que Cuba cresceu” O presidente Miguel Díaz-Canel disse ao Granma, jornal oficial do Partido Comunista Cubano. Mudanças no código eram necessárias, disse ele, porque Cuba se tornou mais diversificada e surgiram questões legais “nas histórias de vida contadas nos dias de hoje, registradas em trabalhos de pesquisa e em situações discutidas em tribunal.”

“O amor agora é lei!” a conta oficial da presidência cubana tuitou na manhã de segunda-feira, comemorando a aprovação da lei de 100 páginas.


EUA vão aliviar restrições a imigrantes cubanos

Díaz-Canel também “lamentou que por motivos de crença uma parte dos cidadãos ainda não entenda que a lei respeita o tipo de família que eles defendem e também protege os direitos de outras formas de amor.”

Muitos cristãos e conservadores sociais se opuseram às emendas. Enquanto o governo comunista da ilha já criminalizou a homossexualidade, a sobrinha do falecido líder revolucionário Fidel Castro, Mariela, assumiu a liderança na defesa dos direitos LGBT.

Havana quase propôs a legalização das uniões do mesmo sexo em 2018, mas a descartou para garantir a aprovação de uma nova constituição. Desta vez, o governo foi all-in, instando os cubanos a votar a favor do novo código, porque “protege a todos sem exclusão, privilegiando o respeito à dignidade humana”, por Granma.

Castro derrubou o governo apoiado pelos EUA em 1959 e governou até 2008, quando se aposentou em favor de seu irmão Raul – pai de Mariela. Embora o país seja oficialmente laico, deixou de ser ateu em 1992. Cerca de 60% da população da ilha se identifica como cristã, a maioria católica seguida por um número crescente de evangélicos.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:



Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.