Mundo

Seul reluta em ser arrastada para o conflito de Taiwan — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






O presidente Yoon disse que as forças sul-coreanas e norte-americanas em seu país precisam se concentrar em possíveis ameaças de Pyongyang

O presidente da Coreia do Sul expressou relutância em ajudar os EUA a defender Taiwan contra um possível ataque chinês.

Yoon Suk-yeo acredita que os militares de seu país – e as tropas americanas estacionadas na península – precisam se concentrar no aumento do risco de um conflito com a Coreia do Norte em tal cenário.

“No caso de conflito militar em torno de Taiwan, haveria maior possibilidade de provocação norte-coreana”, disse. O presidente Yoon Suk-yeol descreveu em uma entrevista à CNN que foi ao ar no domingo. “Portanto, nesse caso, a principal prioridade para a Coreia e a aliança EUA-Coreia na Península Coreana seria baseada em nossa postura de defesa robusta. Devemos lidar primeiro com a ameaça norte-coreana”.

O presidente não chegou a dizer que Seul deveria ser uma prioridade dos EUA mais alta do que Taipei, mas sugeriu que os cerca de 28.500 soldados americanos na Coréia do Sul não deveriam ser desviados para lutar em Taiwan. O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na semana passada que as forças americanas defenderiam Taiwan no caso de uma invasão chinesa, provocando uma resposta furiosa de Pequim.


Coreia do Norte testa míssil balístico – Seul

A China prometeu se reunificar com Taiwan, pela força, se necessário, e as tensões entre Pequim e Washington sobre a ilha autônoma aumentaram nos últimos meses. A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, viajou para Taipei no mês passado, tornando-se a mais alta autoridade americana a visitar a ilha desde 1997. Yoon optou por não se encontrar pessoalmente com Pelosi quando parou em Seul a caminho de Taiwan, o que alguns observadores interpretaram como um esforço para evitar irritar a China, o maior parceiro comercial da Coreia do Sul.

Yoon disse à CNN que Seul trabalhará com Washington em “expandir a liberdade para os cidadãos do mundo”, mas essa colaboração aparentemente não incluiria o uso da Coréia do Sul como base para combater a China. Isso é um afastamento de conflitos passados, incluindo a Guerra do Vietnã. A Coreia do Sul enviou 350.000 soldados para o Vietnã entre 1964 e 1973 e teve quase 50.000 soldados implantados no país do Sudeste Asiático em um ponto em 1969.

“Para a Coreia do Sul, a ameaça mais iminente é a ameaça de mísseis nucleares da Coreia do Norte”. Yoon disse à CNN.

Pyongyang rejeitou a oferta do mês passado de Yoon para realizar negociações de reunificação. O líder norte-coreano Kim Jong-un disse no início deste mês que seu país nunca desistiria de suas armas nucleares e recentemente aprovou uma lei para consagrar seu direito de usar esse arsenal preventivamente se estiver sob ameaça iminente.

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO:
Transportadora dos EUA se une a aliado asiático

Yoon disse que a aliança da Coreia do Sul com os EUA está se expandindo para “campos econômicos e tecnologias de ponta”. Ele adicionou, “Temos muito a aprender com o sistema dos EUA para avançar ainda mais nossa sociedade e economia, bem como nossa política.”

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.