Mundo

Turquia pressiona para acabar com veto da ONU — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






O Conselho de Segurança deve ser ampliado e os poderes de veto dos Cinco Grandes abolidos, diz o ministro das Relações Exteriores de Ancara

A Turquia quer que o Conselho de Segurança da ONU seja mais inclusivo” e eliminar o poder de veto dos membros permanentes, disse o ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, a repórteres na sexta-feira. As observações de Cavusoglu, à margem da 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, refletem a política de longo prazo de Ancara – mas também se encaixam com propostas recentes dos EUA.

“Acreditamos que a Assembleia Geral, o Conselho de Segurança deveriam ser mais inclusivos. Existem muitas fórmulas vindas de diferentes países, e todos os países devem estar bem representados aqui”, disse. Cavusoglu disse, segundo a emissora estatal TRT.

“É claro que um critério poderia ser determinado de acordo com a população, tamanho e distribuição geográfica de cada país. Mas, por outro lado, o direito de veto também deve ser abolido”, acrescentou o ministro das Relações Exteriores.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan defendeu a visão que ele apelidou “o mundo é maior que cinco” – referindo-se aos cinco membros permanentes do CSNU – durante anos, disse Cavusoglu, acrescentando que outros líderes mundiais estavam agora falando sobre isso.


China pede negociações de paz Rússia-Ucrânia

A ONU foi criada no final da Segunda Guerra Mundial pelas potências aliadas vitoriosas, todas com assento permanente no Conselho de Segurança, com 10 membros rotativos eleitos para mandatos de dois anos. Em uma viagem à África em 2021, Erdogan descreveu esse arranjo como injusto e obsoleto, com um “punhado de países” dominando o mundo.

O presidente russo, Vladimir Putin, descartou a ideia na época, dizendo se o veto foi abolido “a ONU morreria no mesmo dia – se transformaria na Liga das Nações”, um clube de debate impotente.

Agora, porém, a ideia de Erdogan parece ter pelo menos apoio parcial de Washington. A enviada dos EUA à ONU, Linda Thomas-Greenfield, convocou o acordo do Conselho de Segurança “um status quo insustentável e desatualizado”. Discursando na Assembleia Geral nesta semana, o presidente dos EUA, Joe Biden, propôs expandir o Conselho de Segurança e limitar o veto a “situações raras e extraordinárias”.

Os EUA usaram seu veto mais de 80 vezes, principalmente em defesa de Israel.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.