Mundo

Crise ucraniana só será resolvida por acordo entre Rússia e EUA, diz MRE húngaro

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







“Eu penso – e provavelmente estou errado, já que é uma posição impopular – mas eu na realidade penso que, sem um acordo entre a Rússia e os EUA, sem conversas entre a Rússia e os EUA, a situação nunca será resolvida, não importa se nós gostamos disso ou não. É a nossa posição. Pode ser errada, mas suponho que para resolver esta […] situação é preciso organizar o mais rápido possível o diálogo russo-norte-americano”, afirmou Szijjarto, que atualmente está em Nova York para participar da sessão da Assembleia Geral da ONU.

O chefe da diplomacia húngara também comentou a opção de enviar forças da OTAN para a Ucrânia, visto que a variante tem sido discutida muito na mídia ocidental ao longo dos últimos meses. Segundo salientou o ministro, até hoje os países da aliança têm acordado evitar o envio de forças aliadas para a Ucrânia.
“Gostaríamos que estas decisões continuem em vigor”, sublinhou Szijjarto.
Panorama internacional

Hungria nunca vai concordar em sancionar Gazprom ou Rosatom, diz MRE húngaro

O chanceler húngaro também expressou pesar pelo fato de ter sido o único representante da União Europeia a realizar uma reunião com o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, nas margens da Assembleia Geral da ONU. Segundo Szijjarto, deve-se aproveitar cada oportunidade para manter o diálogo com a Rússia.

“Lamento o fato de ter sido o único da União Europeia a conversar com ele, porque, se mais colegas nossos conversassem com Sergei Lavrov, isso poderia nos ajudar na resolução do conflito ou, pelo menos, certamente não reduziria essa probabilidade. Penso que, nas condições atuais, devemos aproveitar cada oportunidade”, disse o ministro húngaro à Sputnik.

Szijjarto salientou que mantém os contatos regulares com Lavrov.
“É por que eu acredito que é preciso seguir com o diálogo, especialmente nas condições atuais, quando as tensões estão se agravando, com o perigo de uma escalada da guerra sendo, infelizmente, real. Se não falarmos uns com os outros, agravaremos ainda mais“, acrescentou.
O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, chega ao Vaticano para se encontrar com o Papa Francisco, em 21 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 18.09.2022

Operação russa na Ucrânia

Viktor Orbán avisa que Kiev perderá metade do seu território no conflito

A Hungria está contra a eliminação do poder de veto na tomada de decisões relacionada com a política externa e segurança da UE, assegurou Szijjarto.
“Eles na realidade querem fazê-lo, mas nós não estamos de acordo. Os nossos colegas costumam falar sobre o respeito aos acordos europeus, o que nós partilhamos. Nestes acordos europeus, indica-se muito claramente que na área da política externa e segurança devem ser tomadas decisões unânimes, e nós seguimos isso”, disse o ministro.
Além disso, conforme o chanceler húngaro, embora a própria Hungria, graças aos fornecimentos da Rússia, possua reservas de combustíveis suficientes, em vários outros países da Europa será impossível sobreviver ao inverno sem o combustível russo.
“Não posso falar por outros países, mas quanto à Hungria, caso o fornecimento do gás russo seja suspenso, nós não conseguiremos superar o inverno. Agora nós podemos, já que temos bastante gás, mas para uma série de países europeus será impossível sobreviver ao inverno sem o gás russo. Mas não sei o que os próprios países da Europa Ocidental pensam sobre o assunto”, disse Szijjarto.
Primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, durante reunião com o presidente belarusso, Aleksandr Lukashenko, em Minsk, Belarus, 5 de junho de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 23.07.2022

Panorama internacional

Viktor Orbán: Europa está em apuros, precisa de nova estratégia para a Ucrânia

Voltando à crise ucraniana, Szijjarto reiterou que o risco de as tensões em torno da Ucrânia se transformarem em um conflito direto entre a Rússia e a OTAN não desaparecerá até o fim do conflito.
“Ao chegar a Nova York, eu esperava que a Assembleia Geral da ONU trouxesse algumas notícias boas. Contudo, hoje já é sexta-feira [23], e a situação está ainda pior do que na segunda-feira”, defendeu Szijjarto, afirmando que “se nós não o pararmos, as consequências serão colossais”.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.