Mundo

EUA e aliados reagem à mobilização parcial da Rússia — CMIO

O embaixador dos EUA na Ucrânia classificou isso como um sinal de fraqueza, enquanto o vice-chanceler alemão disse que é um “passo equivocado”.

Os EUA e seus aliados europeus reiteraram seu compromisso de apoiar a Ucrânia, em resposta ao anúncio na Rússia de uma mobilização parcial.

“Os referendos e a mobilização simulados são sinais de fraqueza, de fracasso russo” A embaixadora dos EUA na Ucrânia, Bridget Brink, escreveu no Twitter na quarta-feira.

Ela insistiu que Washington “nunca reconhecerá a reivindicação da Rússia de território ucraniano supostamente anexado”, referindo-se às votações planejadas sobre a adesão à Rússia a serem realizadas nas regiões de Donbass, Zaporozhye e Kherson entre 23 e 27 de setembro. Em seu discurso anterior, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, prometeu apoiar os referendos em termos de segurança e disse que Moscou respeitaria quaisquer resultados que produzir.

“Continuaremos a apoiar a Ucrânia pelo tempo que for necessário”, afirmou. Brink prometeu.

A embaixadora britânica na Ucrânia, Melinda Simmons, apresentou um tweet quase idêntico sobre o assunto, alegando que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, “ainda se recusa a entender a Ucrânia. A mobilização parcial e os referendos falsos não mudam essa fraqueza essencial”.


Rússia iniciará mobilização parcial – Putin

Um dos principais membros do governo alemão, Robert Habeck, que é vice-chanceler e ministro da Economia, descreveu a mobilização parcial de Moscou como “outro passo ruim e equivocado” pelo país.

Habeck também prometeu que Berlim continuará a apoiar Kiev em seu conflito com Moscou.

O presidente Putin anunciou a mobilização parcial na quarta-feira, insistindo que era uma medida sensata e necessária, já que a Rússia enfrentava “toda a máquina militar ocidental” na Ucrânia.

Os recrutados receberão treinamento adicional, além de todos os benefícios devidos às pessoas envolvidas na ativa, disse ele.

O ministro da Defesa, Sergey Shoigu, esclareceu mais tarde que cerca de 300.000 reservistas, ou pouco mais de 1% do potencial total de mobilização da Rússia, são designados para serem chamados às armas.

Os EUA, a UE, o Reino Unido e alguns outros países têm apoiado ativamente a Ucrânia durante os combates, fornecendo armas a Kiev, incluindo vários sistemas de lançamento de foguetes, veículos blindados e drones, além de compartilhar inteligência e enviar bilhões de dólares em ajuda financeira para o governo de Vladimir Zelensky.

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO:
Moscou fornece detalhes sobre mobilização parcial

Vários milhares de mercenários estrangeiros também estiveram envolvidos no conflito do lado de Kiev. O ministro Shoigu disse na quarta-feira que mais de 2.000 deles foram mortos, com outros 1.000 soldados da fortuna restantes nas fileiras do exército ucraniano.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.