Mundo

Austrália diz que está tentando 'estabilizar' laços bilaterais com Pequim


O vice-primeiro-ministro australiano Richard Marles diz que o governo trabalhista em Camberra vem tentando “estabilizar” os laços bilaterais com seu maior parceiro comercial, Pequim, já que os ministros das Relações Exteriores dos dois países devem manter conversas à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) em Nova York.
Marles, que também é o ministro da Defesa, sublinhou durante uma coletiva de imprensa em Camberra que o tom dos laços bilaterais sob o atual governo australiano seria diferente do que era sob a coalizão liberal anterior, que chegou ao ponto de pedir “preparativos de guerra” com Pequim antes das eleições federais em maio.
Marles observou que, embora Camberra estivesse aberta a se envolver construtivamente com a China, o governo ainda continuaria a defender seu “interesse nacional”.
“Mas fazer avançar nosso interesse nacional é garantir que estamos nos envolvendo com o mundo de maneira profissional, sóbria e diplomática, e isso significa estabilizar nosso relacionamento com a China”, afirmou Marles em um golpe velado no último governo.
Mídia: EUA enviaram caças F-22 à Austrália para treinamento com F-35
Ele observou ainda que uma provável reunião entre a ministra das Relações Exteriores da Austrália, Penny Wong, e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, à margem da AGNU, deve ser vista como parte de um “processo buscando estabilizar o relacionamento com a China”.
Enquanto isso, a ministra das Relações Exteriores da Austrália, Wong, que agora está nos EUA, disse a repórteres que os arranjos para uma reunião entre ela e o conselheiro de Estado chinês Wang estavam sendo “finalizados”.
A reunião, se ocorrer, vai ser o segundo encontro presencial desde que o governo trabalhista chegou ao poder e teria sido procurado por Camberra.
Também seria o primeiro contato de alto nível entre os dois países desde as tensões militares no estreito de Taiwan, alimentadas pela visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan no mês de agosto.
Wong se recusou a caracterizar Pequim como uma “ameaça estratégica“, ao contrário dos outros parceiros de Camberra, Japão e Reino Unido.
Submarino de míssil balístico da classe Ohio, USS Wyoming - Sputnik Brasil, 1920, 13.09.2022

Panorama internacional

Pacto AUKUS apresenta riscos de proliferação nuclear, diz enviado na ONU chinês

“O que diríamos da perspectiva da Austrália é que temos interesse em trabalhar com outros para garantir um equilíbrio estratégico. Queremos uma região em que a soberania seja respeitada, onde regras e normas possam gerir disputas, não apenas o poder e tamanho. Queremos uma região que não seja hegemônica”, observou Wong.
Os laços bilaterais atingiram um ponto baixo sob a liderança do ex-primeiro-ministro Scott Morrison depois que ele pediu uma investigação independente sobre as origens da COVID-19 em 2020.
Em agosto passado, a Austrália, o Reino Unido e os EUA revelaram o acordo trilateral AUKUS, que Pequim diz que pretende incitar uma “corrida armamentista” na região da Ásia-Pacífico. Enquanto isso, a China e as Ilhas Salomão anunciaram um acordo de cooperação de segurança em abril, levando a preocupações de segurança em Camberra.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.