Mundo

Sauditas reúnem EUA, Liga Árabe e UE para debater paz na Cisjordânia, mas 'esquecem' Israel


O encontro contou com representantes de quase todos os membros da Liga Árabe, incluindo os palestinos, além da secretária adjunta de Estado para Assuntos do Oriente Próximo, Barbara Leaf, dos EUA, e diplomatas do Reino Unido e de vários países da União Europeia (UE).
O governo de Israel e os seus representantes, entretanto, não foram convidados. O chefe de política externa da UE, Josep Borell, o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, e o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, discursaram na reunião.
Durante o encontro, ministros discutiram a viabilidade de se reviver o processo de paz israelo-palestino com base na Iniciativa de Paz Árabe, disse um diplomata árabe ao jornal The Times of Israel.
Panorama internacional

Israel diz que frustrou plano do Hamas de lançar série de ataques a bomba contra judeus

A realização de tal sessão e a presença de diplomatas de alto escalão do Oriente Médio, da UE e dos EUA, escreve a publicação, representa “um golpe nos esforços israelenses” de descartar a Iniciativa de Paz Árabe como um caminho para a paz.
A proposta, de 2002, oferece a Israel relações totalmente normalizadas com todos os 22 membros da Liga Árabe se Tel Aviv concordar com uma solução de dois Estados baseada nas fronteiras de 1967 e com uma resolução justa para os refugiados palestinos.
A iniciativa foi rapidamente rejeitada por Israel, cujos governos se tornaram cada vez mais antagônicos à exigência de recuo de tropas e assentamentos para as fronteiras de 1967.
O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, ao centro, visita o Mausoléu do Rei Mohammed V, em Rabat, Marrocos, na quarta-feira, 24 de novembro de 2021. Israel e Marrocos assinaram um acordo histórico na quarta-feira que estabelece as bases para cooperação de segurança, compartilhamento de inteligência e armas futuras vendas - Sputnik Brasil, 1920, 24.11.2021

Panorama internacional

No Marrocos, Israel assina seu 1º acordo de defesa com um país árabe

O Estado judeu argumenta que a iniciativa é indefensável ​​e que seus cidadãos não deveriam ter sido removidos do território da Cisjordânia, com o qual o povo judeu tem laços antigos.
Mais recentemente, Israel apontou que a assinatura dos Acordos de Abraão, em 2020, é uma prova da irrelevância da Iniciativa de Paz Árabe.
Esses tratados, intermediados pelos EUA, fizeram com que Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Marrocos concordassem em normalizar as relações com Israel antes de uma solução para o conflito israelo-palestino.
Provável ganhador das eleições norte-americanas, Joe Biden, durante reunião em seu gabinete de transição, em Wilmington, Delaware, EUA, 1º de dezembro de 2020  - Sputnik Brasil, 1920, 25.12.2020

Desafios dos Acordos de Abraão: qual seria a estratégia de Biden para Oriente Médio?



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.