Mundo

A inação de Biden garantiu a nuclearização da Coreia do Norte — CMIO

Donald Trump abriu a porta para a potencial desnuclearização de Pyongyang, mas desde então foi fechada

O líder norte-coreano Kim Jong-un assinou recentemente uma lei que codificou o programa de armas nucleares daquele país, fechando a porta para a possibilidade de desnuclearização que, durante o governo do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, foi tentadoramente aberta.

Embora as autoridades sul-coreanas tenham indicado que anteciparam esse passo, o fato é que o movimento de Pyongyang alterou fundamentalmente a realidade estratégica no Pacífico. Qualquer conflito potencial com a Coreia do Norte agora traz consigo a quase certeza de que armas nucleares serão usadas contra Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, provocando ameaças do Ministério da Defesa sul-coreano de que qualquer movimento desse tipo por seu vizinho do norte seria pouco mais do que um “caminhar em um caminho para a autodestruição.”

Embora não haja dúvida de que qualquer uso de armas nucleares norte-coreanas precipitaria uma resposta devastadora dos Estados Unidos, a vingança nuclear americana forneceria pouco consolo às dezenas de milhões de cidadãos sul-coreanos, japoneses e americanos cujas vidas poderiam (e provavelmente seria) ser encerrado como resultado.

Os cidadãos da Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos precisam refletir sobre essa nova realidade e se perguntar como ela surgiu. No final, a culpa recai sobre o atual presidente dos EUA, Joe Biden, e seu governo.


Coreia do Norte emite alerta nuclear

Quando o antecessor de Biden, Donald Trump, assumiu o cargo, ele foi confrontado com uma série de realidades políticas dos EUA mais estagnadas do que dinâmicas. Estes incluíam, entre outros, o status da OTAN, a implementação do acordo nuclear com o Irã, o controle de armas EUA-Rússia, a presença militar dos EUA no Afeganistão e a questão das armas nucleares da Coréia do Norte.

Trump se atrapalhou em algumas dessas questões; sua decisão de se retirar tanto do acordo nuclear com o Irã quanto do tratado de Forças Nucleares Intermediárias (INF) se destaca. Outras iniciativas políticas, como exigir que os membros da OTAN pagassem sua parte justa do custo da defesa coletiva e iniciar o processo de retirada do Afeganistão, foram consideradas altamente controversas pelo establishment dos EUA.

Assim também foi a iniciativa ousada de Donald Trump de se envolver diretamente com o líder norte-coreano Kim Jong-un na questão da desnuclearização. Enquanto Trump acabou suavizando sua posição em relação à Otan e adiou a ordem de retirada do Afeganistão até o final de sua presidência, a iniciativa norte-coreana foi adotada de forma decisiva desde o início do mandato de Trump.

No início de seu mandato, Donald Trump ameaçou a Coreia do Norte com “fogo e fúria” se fosse para ameaçar os Estados Unidos com um míssil com armas nucleares, e zombasse de Kim como “Pequeno Homem Foguete.” Mas os Jogos Olímpicos de Inverno, organizados pela Coreia do Sul, abriram as portas para uma interação mais positiva entre Coreia do Norte, Coreia do Sul e Estados Unidos. Em abril de 2018, Trump despachou o então diretor da CIA, Mike Pompeo, em uma visita secreta à Coreia do Norte, cujo objetivo era estabelecer uma cúpula entre Trump e Kim.


Coreia do Norte realiza maior teste de míssil – Seul

Imediatamente após a visita de Pompeo, Kim anunciou o fechamento do local de testes nucleares do país e a suspensão dos testes de mísseis balísticos de longo alcance em um sinal claro de que seu governo estava falando sério sobre a desnuclearização da Península Coreana. Essa medida de boa vontade ajudou a pavimentar o caminho para uma cúpula de junho em Cingapura entre Trump e Kim, após a qual Trump tuitou com otimismo que “não há mais uma ameaça nuclear da Coreia do Norte”, que Trump alegou que não era mais a América “maior e mais perigoso problema,” como foi sob o presidente Obama. “Durma bem esta noite!” Trump disse ao povo americano.

O sucesso da cúpula de Cingapura levou a uma reunião subsequente em Hanói, Vietnã, em fevereiro de 2018. Esperava-se que Trump e Kim assinassem um acordo que suspendesse parcialmente as sanções à Coreia do Norte em troca do desmantelamento completo da enorme instalação nuclear de Yongbyon . Enquanto a Coreia do Norte estava preparada para entrar em um acordo que previa uma abordagem passo a passo para seu desarmamento nuclear completo, os conselheiros mais próximos de Trump insistiram em que ele se comprometesse com o desarmamento completo, somente após o qual as sanções seriam suspensas. A cúpula de Hanói terminou sem acordo e deixou a Coreia do Norte se sentindo traída pelo governo Trump.


Coreia do Norte promete novas armas nucleares

Em junho de 2019, Trump fez um último esforço desesperado para iniciar as negociações de desnuclearização com a Coreia do Norte, encontrando-se com Kim ao longo da DMZ que separa as Coreias do Norte e do Sul e cruzando a linha de demarcação, tornando-se o primeiro presidente dos EUA em exercício a entrar na Coreia do Norte. Mas a coragem política de Trump não foi igualada por seu governo, com linhas-duras como o conselheiro de segurança nacional John Bolton e o secretário de Estado Mike Pompeo minando qualquer chance de um acordo ser alcançado ao insistir em posições políticas de linha dura que eles sabiam ser inaceitáveis ​​para a Coreia do Norte. Trump terminou seu mandato com o potencial de desnuclearização não cumprido.

Mas não morto.

A liderança norte-coreana manteve a porta aberta para a possibilidade de continuidade das negociações, inicialmente aderindo ao seu compromisso de não testar armas nucleares ou mísseis balísticos intercontinentais. Mas mais de um ano e meio no governo do presidente Joe Biden, os EUA não fizeram nenhum esforço significativo para se reengajar com Kim. Essa negligência abriu o caminho para sua decisão de fechar permanentemente as portas para as negociações de desnuclearização e certificar o arsenal nuclear da Coreia do Norte como parte integrante e permanente de seu arsenal, que poderia ser empregado preventivamente se verificasse uma ameaça direta ao seu existência.

Trump pode ter se antecipado quando disse que americanos, japoneses e sul-coreanos poderiam “durma bem,” mas foi Biden e seu governo que garantiram que não pudessem.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam necessariamente as da RT.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.