Mundo

Made in China: Pequim nacionalizará indústria de equipamentos médicos


Os governos nas províncias de Hubei, Anhui e Shanxi e na região autônoma de Ningxia emitiram avisos nesta semana aos hospitais locais para fazer uso exclusivo de equipamentos médicos e de teste produzidos internamente.
Isso ocorre na esteira de uma série de decisões do Partido Comunista da China (PCC), que visa nacionalizar a maior parte da sua indústria de equipamentos médicos.
Em maio de 2021, Pequim listou 315 itens (incluindo equipamentos para ressonância magnética e tomografia computadorizada, raios X e endoscópios) que desejava que os hospitais adquirissem apenas de produtores locais.
Com isso, escreve o portal Nikkei, os principais hospitais em Pequim e Xangai, além de outras áreas, estão limitando cada vez mais suas compras aos produtos produzidos internamente no país.
Panorama internacional

Foreign Affairs: Ocidente corta apoio a nações mais pobres e permite à China tomar a dianteira

A iniciativa visa reduzir a dependência das empresas estrangeiras que dominam o mercado chinês de equipamentos médicos com uma participação de 70% a 80% nas vendas de tomografia computadorizada e ressonância magnética. Os três principais fabricantes são General Electric, Siemens e Philips.
O mercado de equipamentos médicos da China é vasto e só deve se expandir no futuro, devido ao envelhecimento da população. A mídia local informou que o faturamento do mercado de equipamentos médicos da China deve dobrar até 2025 em relação aos US$ 140 bilhões (R$ 723,5 bilhões) de 2021.
Pequim quer que as empresas transfiram não só seus processos de montagem para o país, mas também pesquisa e desenvolvimento, projeto e aquisição de componentes críticos.
Submarino de míssil balístico da classe Ohio, USS Wyoming - Sputnik Brasil, 1920, 13.09.2022

Panorama internacional

Pacto AUKUS apresenta riscos de proliferação nuclear, diz enviado na ONU chinês

O plano incentiva empresas estrangeiras a transferir tecnologia, visando, em última análise, elevar o nível da indústria nacional de equipamentos médicos para o mais alto do mundo até 2035.
Além disso, o governo anunciou em julho um projeto de emenda à lei de compras governamentais, dando tratamento preferencial para a aquisição de produtos de valor agregado na China.
O governo chinês vem expandindo sua repressão a empresas estrangeiras. Em 2018, o governo do presidente Xi Jinping deu um passo adiante ao listar os fabricantes de equipamentos de tecnologia da informação recomendados e seus produtos, como computadores pessoais e servidores. Em 2020, começou a restringir seriamente a aquisição de tecnologia para empresas chinesas.
A China também está pressionando as empresas japonesas a transferir sua tecnologia na fabricação de equipamentos de escritório, como fotocopiadoras.
Bandeiras da Alemanha, China e União Europeia (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 19.08.2022

Panorama internacional

Dependência alemã da economia da China cresce ‘a um ritmo tremendo’, conclui estudo



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.