Mundo

Ex-colônia britânica discute a abolição da monarquia — CMIO

Após a morte da rainha Elizabeth, o primeiro-ministro de Antígua e Barbuda coloca a mudança constitucional na agenda

O primeiro-ministro de Antígua e Barbuda prometeu, se reeleito, realizar um referendo para se tornar uma república e remover o monarca britânico como chefe de Estado do país caribenho.

O anúncio de Gaston Browne veio apenas dois dias após a morte da rainha Elizabeth II, embora o primeiro-ministro tenha enfatizado que sua proposta não deve ser considerada “um ato de hostilidade”.

Falando à ITV no sábado, após uma cerimônia formal proclamando o filho da rainha, o rei Carlos III, como o novo monarca, Browne disse que o referendo ocorrerá. “nos próximos três anos”.

A iniciativa “não representa qualquer forma de desrespeito à monarquia” mas reflete “aspirações de longa data” do povo de Antígua e Barbuda, explicou o primeiro-ministro.


Carlos III torna-se o novo monarca britânico

Embora admitindo que a abolição da monarquia não é uma questão premente nas ilhas e que “a maioria das pessoas nem se deu ao trabalho de pensar nisso,” Browne afirmou que poderia ser “um passo final para completar o círculo de independência para se tornar uma nação verdadeiramente soberana.”

Antígua e Barbuda, que se tornou independente em 1981, deve realizar eleições gerais no próximo ano.

O monarca britânico atua como chefe de Estado em 14 países, além do Reino Unido – Antígua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Belize, Canadá, Granada, Jamaica, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e as Granadinas, Ilhas Salomão e Tuvalu. No ano passado, após uma votação no parlamento, Barbados removeu a rainha como chefe de estado e se tornou uma república parlamentar.

No Reino Unido, o grupo antimonarquia ‘Republic’ descreveu a proclamação do novo rei como “uma afronta à democracia” e pediu um debate público sobre o “mover-se para uma alternativa democrática à monarquia hereditária”.

Uma pesquisa de maio do YouGov mostrou que 62% dos britânicos acreditam que o Reino Unido “deve continuar a ter uma monarquia no futuro”, abaixo dos 73% dez anos antes, enquanto 22% acham que o país deveria ter um chefe de Estado eleito, acima dos 16% de uma década atrás.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.