Mundo

The Economist: aliada americana, Índia vai virar dor de cabeça para EUA


O especialista disse que, embora no mundo prevaleça o posicionamento de aproximação de conflito entre os EUA e a China, não se deve esperar uma Guerra Fria entre estas potências.
“A razão é que as ameaças típicas do século XX não podem eliminar a interdependência dos países do século XXI”, especificou o autor.
Segundo Bremmer, apesar de um espírito de desconfiança entre chineses e norte-americanos, os aliados deles não desejariam participar de um confronto global, por colocar em jogo o próprio bem-estar deles.
Panorama internacional

Bloomberg: Putin lança desafio ao Ocidente ao convidar Índia e China para exercícios Vostok 2022

“Uma forte desestabilização da China levaria inevitavelmente à destruição econômica mútua”, seguiu Bremmer.
O analista lembrou que China e Estados Unidos são parceiros comerciais e econômicos de relevância principal, o que os mantém “no mesmo barco”. Mas existe também mais uma ameaça – os países do Sul e, antes de mais nada, a Índia.
“Tais países seguem a maré, e na década que vem podem se tornar fonte de milhões de migrantes e refugiados”, alertou o especialista.
O rompimento das cadeias de suprimento, a inflação, a queda do crescimento econômico e a redução de remessas ameaçam fazer com que os países em desenvolvimento mergulhem em uma crise de dívida já na próxima década.
O ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar (Arquivo). - Sputnik Brasil, 1920, 30.08.2022

Panorama internacional

Controvérsias entre Índia e China minam ‘ascensão da Ásia’, diz chanceler indiano

Além disso, os países do Sul estão menos preparados para enfrentar as alterações climáticas. O aquecimento global vai afetar de forma mais forte a África, o Oriente Médio e a América Central.
Nesse contexto, o Ocidente ficará menos entusiasmado nas suas tentativas de resolver os conflitos e crises no Afeganistão, Iêmen e em outros Estados. Além disso, ele limitará a sua ajuda no âmbito do Fundo Monetário Internacional e outras estruturas internacionais. Os países pobres, em resposta, poderão se unir a fim de exigir mais apoio. Em uma alternativa, podem agravar ainda mais a instabilidade política geral, levando a fluxos de migrantes para o Ocidente.
“Nessa conjuntura instável, a Índia assumirá a liderança no Sul global”, escreveu Bremmer.
Ele salientou que o Ocidente deve concentrar os esforços e se unir para resolver estas dificuldades. Segundo o autor, nesse caso seria útil fazer uma aliança com a China. Contudo, por enquanto, “isso é apenas um sonho”, embora a China tenha muito a perder em caso de instabilidade global e caos.
O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi (à esquerda), e o presidente da Rússia, Vladimir Putin - Sputnik Brasil, 1920, 18.08.2022

Panorama internacional

Mídia ocidental: Índia não condena operação russa na Ucrânia, expondo ‘estranho’ respeito por Rússia



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.