Mundo

Como conseguirá Liz Truss e seus ministros resolver a bagunça econômica que herdaram?


A mídia observou que Kwarteng – um aliado de longa data de Liz Truss – é considerado o candidato “perfeito” para novo ministro do Tesouro, citando pessoas familiarizadas com o pensamento da recém-eleita primeira-ministra.
Enquanto isso, o Reino Unido está entrando em uma tempestade econômica perfeita, com a inflação já acima de 10% e os custos de energia subindo cada vez mais. Economistas preveem que a inflação pode chegar a 22,4% em 2023.
Da mesma forma, a Câmara de Comércio Britânica (BCC) projetou que o país entrará em recessão antes do final do ano, acrescentando que o crescimento também será fraco em 2023 e 2024.
Para manter a economia à tona, o novo ministro das Finanças terá que apoiar as famílias e empresas britânicas, garantir o fluxo estável de investimentos e, acima de tudo, criar condições para o crescimento econômico.

Truss prometeu ajudar as famílias que lutam para pagar as contas de energia com um novo pacote que provavelmente substituirá os £15 bilhões (R$ 89 bilhões) de ajuda anunciados pelo então ministro do Tesouro, Rishi Sunak, em maio.

Em 26 de agosto, o Escritório de Mercados de Gás e Eletricidade (Ofgem), anunciou um aumento de 80% no limite de preço da energia para £ 3.549 (R$ 21.202) por ano a partir de 1º de outubro – um aumento acentuado se comparado com os £ 1.277 (R$ 7.628) já em vigor desde outubro de 2021.
A Cornwall Insight, uma empresa britânica que fornece inteligência estratégica para o mercado de energia, não descartou que o limite de preços da Ofgem suba para £7.000 (R$ 41.810) no outono de 2023.
A nova liderança dos Tory provavelmente reverterá o aumento planejado nos pagamentos de seguros nacionais dos funcionários e fará cortes no imposto de renda. Mas quando se trata de empresas do Reino Unido, são necessários esforços mais radicais.
De acordo com o The Guardian, o BCC instou Downing Street a introduzir uma redução temporária de 5% do IVA nas contas de energia e fornecer uma concessão de energia de emergência no estilo da pandemia de COVID-19 para pequenas e médias empresas.
Anteriormente, o ministro em exercício Nadhim Zahawi prometeu reduções direcionadas no IVA e nas taxas de negócios para os setores de varejo e hotelaria, mas ficou aquém em prestar mais esclarecimentos.
No entanto, as indústrias intensivas em energia precisam de políticas mais fortes para enfrentar os custos de energia em alta. De acordo com o The Guardian, o novo governo pode oferecer a essas empresas incentivos fiscais para passar o inverno.
Além disso, as indústrias britânicas estão sofrendo com a escassez de mão de obra capacitada, pois o Brexit limita o acesso aos trabalhadores do Velho Continente. Como resultado, os salários aumentaram, exercendo ainda mais pressão sobre os empresários, que estão enfrentando baixa de vendas devido à recessão iminente.
As perspectivas econômicas incertas tiveram um impacto negativo sobre os investimentos na economia britânica, que se mostrou vulnerável a crises alimentares e energéticas. Após a decisão de Londres de aderir ao embargo energético dos EUA contra a Rússia na esteira da operação militar especial, os preços globais dos hidrocarbonetos subiram ainda mais.
Da mesma forma, as sanções do Ocidente sobre as atividades bancárias e financeiras da Rússia, bem como a logística e o comércio, contribuíram para o aumento dos preços dos alimentos. Como resultado, o Reino Unido tem que pagar mais pelas importações de energia e alimentos.
As preocupações crescentes com as perspectivas econômicas do Reino Unido atingiram a libra britânica, que deslizou de US$ 1,36 (R$ 8.12) em março para cerca de US$ 1,15 (R$ 6.86) ante o dólar na semana passada. A moeda britânica também caiu quase 3% em relação ao euro no mês passado. A Capital Economics projetou na quarta-feira passada que a libra esterlina cairia para novos mínimos e chegaria a US$ 1,05 (R$ 6.27) até meados do próximo ano.
“Somando-se às aflições da libra britânica está a força persistente do greenback (emissão de moeda fiduciária), com o índice do dólar americano atingindo uma alta de 20 anos na semana passada”, comentou a CNBC News, acrescentando que, ao contrário da libra e do euro, a moeda norte-americana está ficando mais forte devido à elevação das taxas de juros do Fed.
Com uma libra fraca, juntamente com a inflação em alta e uma recessão iminente, os britânicos correm o risco de presenciar “a maior queda dos salários reais já registrada”. A crise do custo de vida já levou a greves generalizadas em todos os setores públicos e privados no Reino Unido no início deste ano.
Panorama internacional

Declarações de Truss acerca da reunião com Putin na cúpula do G20 refletem sua posição sobre Rússia

O crescimento econômico do Reino Unido é possível no curto prazo?

Além disso, o novo ministro “entrará no Tesouro com sinos de alarme tocando no que se refere ao crescimento econômico”, observou o The Guardian. Os gastos dos consumidores estão caindo devido ao aumento das contas de energia e dos juros dos empréstimos, à medida que o Banco da Inglaterra (BoE) continua aumentando gradualmente as taxas de juros em uma tentativa de domar a inflação. A taxa básica do BoE está atualmente em 1,75% após o aumento de 1,25% em 4 de agosto.
Além disso, a recessão provavelmente aumentará as taxas de desemprego à medida que as empresas e as indústrias lutam contra as dificuldades econômicas e a queda da demanda.
Para complicar ainda mais as coisas, o aumento do desemprego virá em um momento de “tensas relações trabalhistas entre sindicatos, alguns empregadores e o governo”, alertou o Guardian.
É provável que Truss recorra a medidas “menos ortodoxas” para reanimar a economia do país, de acordo com a Bloomberg.
Anteriormente, ela prometeu uma meta de crescimento anual de 2,5%, mas seus planos de corte de impostos, congelamento das contas de energia e ajuda às famílias britânicas – destinadas a incutir uma nova vida na economia do Reino Unido – podem custar ao país cerca de 50 bilhões de libras (R$ 298 bilhões), de acordo com o Guardian.
“Dada a gravidade da crise que enfrentamos, haverá a necessidade de algum afrouxamento fiscal para ajudar as pessoas durante o inverno”, escreveu Kwarteng. “A relação entre a dívida do Reino Unido e o Produto Interno Bruto (PIB) é menor do que qualquer outro país do G7, exceto a Alemanha, por isso não precisamos de aperto fiscal excessivo… Quero garantir que isso seja feito de forma fiscalmente responsável… trabalharemos para reduzir a relação dívida-PIB ao longo do tempo.”
O tempo dirá como o gabinete de Truss navegará na economia britânica em tempos de crise. No entanto, o ex-ministro Sunak e alguns economistas britânicos advertiram contra recorrer a políticas fiscais mais brandas e empréstimos excessivos em meio à inflação já bastante alta.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.