Mundo

Alguns israelenses têm mais medo de Netanyahu do que do Irã, opina colunista

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







Em 1992, um jovem membro do Knesset, Benjamin Netanyahu, assustou o público israelense com um aviso de que o Irã – país que havia prometido a destruição do Estado judeu – estava “a entre três e cinco anos” de obter uma arma nuclear. Ele deixou para a imaginação do público que desastre seria caso isso acontecesse. Era uma oportunidade para ele se apresentar como um salvador, o homem que viu o futuro e não teve medo de enfrentá-lo.
Hoje, 30 anos depois, Netanyahu ainda está reciclando versões atualizadas de seu aviso. Certamente será o tema de sua campanha nas próximas eleições israelenses, onde ele espera voltar ao poder como chefe do partido de direita Likud. Esta semana, ele acusou o primeiro-ministro Yair Lapid e o ministro da Defesa Benny Gantz, seus principais adversários, de “dormir em seus turnos, e permitir que o Irã chegue a um acordo que coloque em risco nosso futuro”.
O acordo em questão é o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), o acordo que o Irã fez em 2015 com potências mundiais para restringir o programa nuclear de Teerã. O ex-presidente Donald Trump retirou os EUA do pacto, mas o governo Biden está buscando reviver o acordo, abrindo um caminho para que o Irã se torne um Estado no limiar do nuclear dentro de alguns anos.

No entanto, atiçar os temores israelenses de um ataque iraniano direto não parece mais um caminho confiável para Netanyahu e seus aliados de direita, opina o colunista do Bloomberg, Zev Chafets.

Bombardeiros nucleares B-52 dos EUA sobrevoam Oriente Médio em meio a tensões com Irã
Em tempos, Israel sonhou em acabar com o programa nuclear iraniano com ataques militares, tal como o país havia destruído instalações nucleares no Iraque em 1981 e na Síria em 2007. Em 2010, Bibi, como Netanyahu é amplamente conhecido em Israel, e seu ministro da Defesa Ehud Barak começaram a planejar seriamente tal ataque contra o Irã. Os planos deles foram arquivados depois que o alto comando do Exército informou que o sucesso de tal operação não poderia ser totalmente assegurado.
Hoje, qualquer plano desse tipo seria absurdo. O programa nuclear iraniano está espalhado por todo subsolo do país. Ao contrário dos iraquianos e dos sírios, o Irã tem a capacidade científica e tecnológica necessária para o reconstruir. E o mundo inteiro, incluindo os EUA, condenaria tal movimento como desestabilizador. O Irã tem petróleo, e hoje em dia o petróleo importa.
Há um segmento do público israelense que ainda acredita que Netanyahu tem uma capacidade mágica para acabar com o projeto nuclear iraniano. Bibi sabe que não é verdade, mas encoraja a ilusão.
Ele está muito disposto a chicotear os eleitores com cenários apocalípticos de “nunca mais“. Não é muito difícil para os israelenses, que sofreram ataques de mísseis convencionais de forças pró-iranianas em Gaza e no Líbano, imaginar o que os líderes do Irã poderiam fazer com uma bomba nuclear. Esse medo está enraizado em algumas pessoas e Netanyahu sabe como usá-lo.
Mas nem todos são suscetíveis à retórica de Bibi. Suas décadas de avisos sobre a ameaça iraniana dessensibilizaram algumas pessoas. Os oponentes de Netanyahu não hesitarão em afirmar que a linha dura inflexível de Bibi está fora da realidade.
Este caso de oposição foi exibido em uma recente mesa redonda televisionada sobre o Irã pós-JCPOA. Dois dos participantes eram ex-chefes militares que haviam servido sob Netanyahu. Dois eram ex-ministros da Defesa nos governos de Bibi.
Um deles, Gantz, já havia ocupado os dois cargos em um passado recente. Nenhum era um apoiador de Bibi, um ponto que eles prontamente reconheceram (Gantz é o chefe de uma prancha centrista nas eleições de novembro).
Os cinco participantes estavam de acordo: nenhum gostava do JCPOA (“está cheio de buracos”, disse Gantz), mas todos concordaram que esse é um fato regional com que Israel terá que lidar.
Para reforçar, Gantz relembrou a promessa do presidente Joe Biden, feita em julho durante sua visita a Israel, de que o uso de força contra o Irã seria o “último recurso”.
Houve também um consenso surpreendente de que o Irã não deveria estar no topo das prioridades de defesa de Israel. Uma preocupação maior, segundo o painel, era o estado polarizado da nação. Um a um, sem citar nomes, os participantes apontaram para a falta de solidariedade e o declínio que percebem na resiliência social e no patriotismo sob o longo e divisivo reinado de Netanyahu.

O ex-primeiro-ministro Barak resumiu: “Todos os chefes de Estado-Maior vivos, quase todos os chefes vivos do Mossad e todos os chefes vivos do Shin Bet concordariam, todas as pessoas que estão, ou estiveram, à frente do aparelho de segurança entendem hoje que há uma ameaça mais séria para o futuro do Estado de Israel do que o Irã, Hezbollah ou Hamas”.

Essa ameaça, insinuou claramente Barak, com acenos de seus colegas panelistas, seria o retorno de Bibi Netanyahu e sua marca polarizadora, de liderança de homem-do-destino, ao gabinete de primeiro-ministro.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.