Mundo

Maior colisor de partículas do mundo em risco devido à crise de energia da UE — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Cientistas da Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (CERN) temem que possam ter que desligar os aceleradores de partículas para economizar energia

A crise energética europeia ameaça afetar o maior acelerador de partículas do mundo, o Large Hadron Collider (LHC), admitiu o chefe do painel de gerenciamento de energia da Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (CERN), Serge Claudet.

A agência está agora trabalhando em planos de contingência que podem até mesmo fazer com que o LHC seja desligado para reduzir o consumo de energia nos horários de pico, disse ele ao Wall Street Journal no domingo.

“Nossa preocupação é realmente a estabilidade da rede, porque fazemos todo o possível para evitar um apagão em nossa região.” disse Claudet. No entanto, os cientistas tentarão manter o LHC operando e tentarão evitar um desligamento repentino da máquina de US$ 4,4 bilhões, acrescentou.

O LHC é um dos oito aceleradores de partículas localizados no complexo do CERN, na fronteira entre a França e a Suíça. É também um dos maiores consumidores de energia da França, exigindo cerca de 200 megawatts de energia durante seus períodos de pico de operação. Toda a cidade vizinha de Genebra consome apenas cerca de três vezes essa quantidade.

O CERN espera chegar a um acordo com seu fornecedor de energia – a gigante estatal francesa de energia EDF SA – e quer um aviso prévio de pelo menos um dia caso tenha que reduzir seu consumo de energia.


Cientistas do CERN se aprofundam nos segredos do universo

Sob sua estratégia atual, o centro fecharia outros aceleradores para reduzir seu consumo em 25%, mas manteria o LHC operando, disse Claudet.

Desligar o LHC economizaria mais 25%, de acordo com o chefe do painel de gerenciamento de energia. No entanto, também atrasaria em semanas quaisquer experimentos envolvendo o colisor, pois requer uma grande quantidade de energia mesmo quando não está sendo usado. O CERN está agora trabalhando em um plano para apresentar aos governos que financiam o centro no final de setembro.

A Europa está enfrentando uma aguda crise de energia ligada aos planos de Bruxelas de livrar o bloco do fornecimento de energia russo em meio à operação militar em andamento de Moscou na Ucrânia. A Rússia também reduziu suas exportações de gás para a Europa, citando questões técnicas relacionadas às sanções que o Ocidente impôs sobre o conflito.

A França está enfrentando contratempos adicionais no fornecimento de energia depois que a corrosão foi descoberta em tubulações usadas em alguns de seus reatores nucleares. Cerca de 12 deles foram retirados de operação para reparo, reduzindo ainda mais o fornecimento de energia do país.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.