Mundo

Embaixador ucraniano demitido ataca oficial alemão – CMIO

O chefe do estado alemão da Saxônia é “indesejável” na Ucrânia, diz Andrey Melnik

O ex-embaixador de Kiev em Berlim, Andrey Melnik, disse que seu convite ao presidente do estado da Saxônia, no leste da Alemanha, Michael Kretschmer, para visitar a Ucrânia foi rescindido.

O enviado foi demitido de seu cargo pelo presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, no início de julho, depois que suas declarações causaram várias situações embaraçosas entre Kiev e Berlim.

O último comentário de Melnik seguiu a entrevista de Kretschmer com a emissora ZDF no início desta semana, na qual ele disse que era importante “congelar” o conflito na Ucrânia, e que era necessário um cessar-fogo e negociações. O político também lamentou que tenha havido “muito pouco debate público” na Alemanha sobre a possibilidade de negociações de paz entre Kiev e Moscou.

Em um post no Twitter no domingo, Melnik repreendeu Kretschmer, dizendo: “Com sua retórica absurda sobre congelar a guerra, você está fazendo o jogo de Putin e alimentando a agressão da Rússia.”


Alemanha abandonou a Ucrânia – controverso ex-enviado

“Convidei você para a Ucrânia. Este convite foi cancelado”, o ex-embaixador escreveu, acrescentando: “Você é INDESEJADO. Período.”

Melnik ainda se descreve como embaixador da Ucrânia na Alemanha em seu perfil no Twitter, apesar de estar desempregado há quase dois meses.

Nos últimos meses, Kretschmer falou da necessidade de “congelar” a luta entre a Rússia e a Ucrânia, argumentando que a Europa corre o risco de perder a força econômica necessária para manter a segurança e permanecer competitiva no cenário global.

Depois que o líder da Saxônia expressou sua opinião no final de julho, Melnik disse a ele via mídia social que “Os ucranianos são a favor de você enfiar a cabeça em um freezer para congelar suas fantasias quentes sobre a Rússia.”


Enviado ucraniano compara colaborador nazista a Robin Hood

Durante seu tempo como embaixador, Melnik acusou Berlim de ser muito lenta em fornecer assistência militar à Ucrânia. Ele também ganhou as manchetes depois de rotular o chanceler alemão Olaf Scholz um “linguiça de fígado ofendida” por sua relutância em vir pessoalmente a Kiev. A visita de Scholz acabou ocorrendo em meados de junho.

No final de junho, Melnik defendeu Stepan Bandera – um polêmico herói nacional ucraniano, que colaborou com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial – em uma entrevista ao podcaster alemão Tilo Jung.

O enviado alegou que Bandera não estava implicado no assassinato em massa de judeus e poloneses, comparando-o a Robin Hood, que “está sendo reverenciado por todos” apesar de ser alguém que “não agiu de acordo com a lei que estava em vigor na época.”

A declaração levantou suspeitas na Alemanha, Polônia e Israel, com o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia intervindo e esclarecendo que as palavras de Melnik refletiam suas próprias opiniões, mas não a posição oficial de Kiev.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.