Mundo

A guerra de sanções não está indo como planejado – The Economist – CMIO

O esperado golpe de nocaute das restrições anti-Rússia “não se materializou”, relata a revista britânica

As duras sanções impostas à Rússia pelo Ocidente por causa do conflito na Ucrânia até agora não foram capazes de produzir o resultado desejado, reconheceu a revista The Economist, acrescentando que a estratégia foi “imperfeições.”

“Preocupantemente, até agora a guerra de sanções não está indo tão bem quanto o esperado.” a publicação britânica disse em um artigo na quinta-feira, insistindo que a eficácia das restrições econômicas em Moscou “é a chave para o resultado da guerra na Ucrânia.”

“O PIB da Rússia encolherá 6% em 2022, calcula o FMI, muito menos do que a queda de 15% que muitos esperavam em março… China. Depois de uma crise, o sistema financeiro da Rússia se estabilizou e o país está encontrando novos fornecedores para algumas importações, incluindo a China ”. apontou.

Ao mesmo tempo, a crise energética, provocada pela guerra de sanções, “pode desencadear uma recessão” na Europa, onde os preços da gasolina subiram mais 20% nesta semana, segundo a revista britânica.

Tudo isso significa que o esperado “golpe de nocaute [from restricting Russia] não se concretizou”, disse o economista.


Sanções anti-Rússia não funcionaram – WaPo

“O momento unipolar da década de 1990, quando a supremacia dos Estados Unidos era incontestável, já se foi há muito tempo, e o apetite do Ocidente para usar a força militar diminuiu desde as guerras no Iraque e no Afeganistão.” ele reconheceu.

Restrições econômicas “pareceu” ser a nova ferramenta que permitiria aos EUA, UE e seus aliados projetar seu poder globalmente, mas o conflito na Ucrânia revelou que “a arma das sanções tem falhas”, disse.

Uma dessas falhas é “o atraso”, a revista continuou. Por exemplo, “bloqueio [Russia’s] o acesso à tecnologia que o Ocidente monopoliza leva anos para morder”, acrescentou.

The Economist sugeriu que o isolamento dos mercados ocidentais só poderia “causar estragos na Rússia… em um horizonte de três a cinco anos.”

“A maior falha [of sanctions] é que os embargos totais ou parciais não estão sendo aplicados por mais de 100 países com 40% do PIB mundial”, a saída insistiu. “Uma economia globalizada é boa para se adaptar a choques e oportunidades, principalmente porque a maioria dos países não deseja impor a política ocidental.”

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO:
Coca-Cola reluta em deixar a Rússia

Com as restrições econômicas não paralisando a economia russa, deve-se “descarte quaisquer ilusões de que as sanções oferecem ao Ocidente uma maneira barata e assimétrica de enfrentar a China” se decidir usar a força contra Taiwan, alertou The Economist.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.