Mundo

AIEA inspecionará usina nuclear de Zaporozhie na próxima semana, diz WSJ


Segundo o Wall Street Journal, “preparativos frenéticos” estão sendo conduzidos pela AIEA para a concretização da missão, que está “quase certa” de acontecer no início da próxima semana.
A Rússia têm alertado que a Ucrânia está bombardeando a usina de Zaporozhie, que está sob o controle das forças russas, e apontado o perigo de causar um desastre nuclear.
O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, está negociando com autoridades ucranianas e russas, bem como com o presidente da França, Emmanuel Macron, sobre a melhor maneira de conduzir a missão.

A Rússia cobra que a Organização das Nações Unidas (ONU) acelere os preparativos com a missão e manifestou preocupação com a proposta de que a equipe da AIEA viaje pela Ucrânia para chegar a Zaporozhie. A outra rota previa que a equipe chegasse à usina via Crimeia.

A equipe da AIEA pretende avaliar a segurança da planta e levar peças de reposição, dispositivos para monitorar radiação e outros suprimentos em meio a temores de que ataques à instalação possam resultar em uma catástrofe nuclear.
Operação russa na Ucrânia

ONU: Conselho de Segurança se reúne em meio a temor de ataque em Zaporozhie

Grossi pede que Moscou e Kiev trabalhem em conjunto para garantir uma viagem segura à usina.

“É uma longa viagem, e a Ucrânia é enorme, deve ser atravessada em condições de segurança, que não são as ideais”, disse Grossi ao jornal Le Monde na quinta-feira (25), acrescentando que a agência “não tem blindagem pesada, por isso devemos confiar no apoio dos veículos da ONU.”

Desde o início de agosto, as tropas ucranianas intensificaram o bombardeio contra a usina, que está sob a proteção dos militares russos para prevenir o vazamento de material radioativo, segundo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.
Os militares ucranianos têm usado mísseis guiados e projéteis de fabricação ocidental durante os ataques.
O representante permanente da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, apontou que se as forças russas deixassem a usina, ela ficaria vulnerável à ação de Kiev e qualquer tipo de provocação para culpar a Rússia poderia ser feita.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.