Mundo

EUA podem se envolver diretamente nos combates na Ucrânia – especialista – CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Uma escalada do conflito pode levar à morte e destruição em uma escala superior à Segunda Guerra Mundial, acredita John Mearsheimer

O cientista político americano John Mearsheimer emitiu um alerta severo ao Ocidente, alegando que os riscos de uma “escalada catastrófica” na Ucrânia foram subestimados, e sugerindo que os EUA podem se envolver diretamente nos combates.

Em um artigo para Relações Exteriores publicado esta semana, o estudioso de relações internacionais escreveu que tanto os EUA quanto a Rússia estão agora “profundamente empenhado em vencer a guerra” – potencialmente por qualquer meio necessário.

Embora poucos previssem que os EUA poderiam se envolver diretamente nos combates, Mearsheimer argumenta que isso poderia, “se está desesperado para vencer ou para evitar que a Ucrânia perca.”

Por outro lado, ele adverte que a Rússia pode usar armas nucleares se “enfrenta uma derrota iminente” – uma situação que poderia facilmente se desenrolar se as forças dos EUA fossem de fato atraídas diretamente para os combates.

O risco de uma escalada tão catastrófica é, portanto, “substancialmente maior do que a sabedoria convencional sustenta”, o cientista político acredita.


EUA à beira de se juntar diretamente ao conflito ucraniano – Moscou

A posição oficial da Rússia sobre o uso de armas nucleares é que elas podem ser usadas apenas em autodefesa ou quando sua existência estiver ameaçada. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Ivan Nechaev, reiterou essa posição nesta semana, dizendo que Moscou implantaria armas nucleares “apenas em resposta a um ataque como medida de autodefesa e em circunstâncias extremas”.

Mearsheimer argumentou durante anos que a expansão da OTAN para o leste provocaria a Rússia em um conflito que deixaria a Ucrânia “naufragado.” Seus avisos frequentes até o colocaram em uma “lista negra” do governo ucraniano publicada em julho. A lista inclui nomes de políticos, especialistas e intelectuais que Kiev acusa de promover “narrativas consonantes com a propaganda russa”.

Para os EUA, acredita o analista, o conflito na Ucrânia representa uma oportunidade para “expulsar a Rússia das fileiras das grandes potências” e vinculou sua própria reputação ao resultado.

Mearsheimer afirma que a Rússia “ambições” também se expandiram desde que começou sua ofensiva militar em fevereiro. Até a véspera da campanha militar, o presidente Vladimir Putin estava comprometido com a implementação do acordo de Minsk II, que faria com que a região de Donbass continuasse como parte do território da Ucrânia. Agora, insiste o analista, com a Rússia tendo assumido o controle de grandes extensões de território no leste e sul da Ucrânia, é improvável que devolva todos os “ou mesmo a maior parte”.

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO:
ONU alerta contra ataques ‘suicidas’ à usina nuclear de Zaporozhye

Dado o profundo nível de envolvimento dos EUA através do fornecimento de armas e apoio político, Washington está “a um passo de ter seus próprios soldados puxando gatilhos e seus próprios pilotos apertando botões” na Ucrânia.

Mearsheimer apresenta vários cenários potenciais nos quais os EUA poderiam se envolver mais ativamente na guerra.

À medida que o conflito se arrasta, os formuladores de políticas dos EUA provavelmente considerarão tomar “passos mais arriscados” como impor uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia ou inserir “pequenos contingentes de forças terrestres dos EUA”.


EUA apoiam ataque da Ucrânia à Crimeia – Politico

Outro cenário aconteceria se o exército da Ucrânia estivesse prestes a entrar em colapso e a Rússia parecesse destinada a obter uma vitória decisiva. Autoridades dos EUA poderiam se convencer de que o uso limitado da força seria possível sem levar Putin a usar armas nucleares. Com as forças dos EUA no terreno, a Rússia veria sua sobrevivência em risco, fornecendo um poderoso incentivo para o uso de armas nucleares. “No mínimo, eles considerariam greves de demonstração destinadas a convencer o Ocidente a recuar”. ele argumentou.

Um erro militar também pode desencadear uma escalada se, por exemplo, um caça americano e russo colidir sobre o Mar Báltico. Tal situação pode escalar rapidamente devido ao medo, falta de comunicação e demonização mútua, escreveu ele. Os ataques russos à Polônia ou à Romênia em um esforço para interromper o fluxo de armas ocidentais também não podem ser descontados, afirma Mearsheimer.

“O governo Biden deveria ter trabalhado com a Rússia para resolver a crise na Ucrânia antes do início da guerra em fevereiro. Agora é tarde demais para chegar a um acordo”, disse o analista, acrescentando que a Rússia, o Ocidente e a Ucrânia estão agora “preso em uma situação terrível sem saída óbvia.”

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.