Mundo

Chanceler alemã faz comentário sobre o Holocausto após críticas — CMIO

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Olaf Scholz criticou a comparação do presidente palestino das políticas israelenses em relação aos árabes ao Holocausto

O chanceler alemão Olaf Scholz denunciou uma observação do presidente palestino Mahmoud Abbas de que Israel havia perpetrado vários “holocaustos” contra palestinos.

Scholz foi criticado por não contestar as acusações de Abbas durante sua coletiva de imprensa conjunta em Berlim na terça-feira.

Estou enojado com as observações ultrajantes feitas pelo presidente palestino Mahmoud #Abbas. Para nós alemães em particular, qualquer relativização da singularidade do Holocausto é intolerável e inaceitável,” Scholz twittou em inglês na quarta-feira.

Em sua coletiva de imprensa conjunta em Berlim na terça-feira, um jornalista sugeriu que Abbas deveria se desculpar pela morte de 11 atletas israelenses por terroristas palestinos durante as Olimpíadas de Munique em 1972. O presidente respondeu: “De 1947 até os dias atuais, Israel cometeu 50 massacres em aldeias e cidades palestinas, em Deir Yassin, Tantura, Kafr Qasim e muitas outras – 50 massacres, 50 holocaustos.

Enquanto as câmeras capturaram Scholz fazendo careta para esse uso não convencional da palavra “holocausto,” ele permaneceu em silêncio na hora.

No entanto, no final do dia, o chanceler abordou o comentário sobre os ‘holocaustos’ ao falar com o meio de comunicação alemão Bild antes de tornar sua posição conhecida no Twitter no dia seguinte.

No entanto, o fato de ele não ter abordado o comentário na entrevista coletiva gerou uma onda de críticas no país.


Alemanha se opõe à proibição de visto russo – Scholz

Christoph Heubner, vice-presidente executivo do Comitê Internacional de Auschwitz (IAC), disse estar surpreso que “o lado alemão… permitiu [Abbas’] comentários sobre o Holocausto não sejam contestados.

Josef Schuster, presidente do Conselho Central dos Judeus na Alemanha, descreveu o silêncio de Scholz durante a conferência de imprensa como “escandaloso.

Seu porta-voz Steffen Hebestreit disse na quarta-feira que o “Chanceler lamenta não ter intervindo… na conferência de imprensa de ontem à tarde.

O comentário de Abbas também foi criticado em Israel, onde o primeiro-ministro Yair Lapid descreveu o comentário como “não apenas uma desgraça moral, mas uma mentira monstruosa.

Também na quarta-feira, o presidente palestino esclareceu que seu comentário não pretendia “negar a especificidade do Holocausto.

O comentário controverso veio menos de duas semanas depois que as Forças de Defesa de Israel realizaram a Operação Amanhecer em Gaza, visando a liderança do grupo militante Jihad Islâmica. O exército israelense submeteu a área densamente povoada a ataques aéreos maciços.

De acordo com Israel, um total de 49 palestinos foram mortos como resultado. As autoridades israelenses afirmam ter matado vários comandantes da Jihad Islâmica.



Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.