Mundo

Guterres diz que indicará general Santos Cruz para liderar investigação da ONU em Donbass


Mais cedo neste mês, Guterres deu início a uma missão investigativa relacionada ao ataque realizado contra o centro de detenção, que deixou pelo menos 53 mortos e 130 feridos, em 29 de julho.
O secretário-geral disse que pretende indicar Santos Cruz para liderar a missão e que os termos e nomes relacionados foram compartilhados com a Rússia e com a Ucrânia, que precisam aprovar esses detalhes.

“Continuaremos trabalhando para obter as garantias necessárias para o acesso à região e quaisquer outras áreas relevantes”, disse Guterres em sua declaração, conforme citado pela agência Reuters. “Para dizer de forma simples, a missão de averiguação precisa estar livre para averiguar”, acrescentou.

O ataque contra Elenovka foi atribuído às forças ucranianas pelos militares russos. As vítimas do ataque eram prisioneiros de guerra detidos pelas forças aliadas da Rússia na região.
A fala de Guterres ocorreu durante uma conversa com repórteres na cidade ucraniana de Lvov, após conversa com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

© Sputnik / SPUTNIK / Abrir o banco de imagensConsequências de ataque ucraniano a centro de detenção de prisioneiros de guerra ucranianos em Elenovka, na RPD, em 29 de julho de 2022

Consequências de ataque ucraniano a centro de detenção de prisioneiros de guerra ucranianos em Elenovka, na RPD, em 29 de julho de 2022
Santos Cruz é general da reserva do Exército brasileiro e comandou as missões de paz da ONU no Haiti (Minustah) e no Congo (Monusco). O militar também foi ministro da Secretaria de Governo do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, entre janeiro e junho de 2019.
O general brasileiro também foi assessor especial do ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e secretário de Segurança Pública do Ministério da Justiça durante a gestão do ex-presidente Michel Temer.

Zaporozhie deve ser desmilitarizada, diz Guterres

O secretário-geral da ONU também deu declarações pedindo a retirada de equipamentos militares e soldados da instalação da usina nuclear de Zaporozhie. Segundo ele, essas forças devem ser direcionadas para esforços visando garantir que a usina não seja alvo de operações militares.

“A instalação não pode ser usada como parte de nenhuma operação militar. Em vez disso, um acordo é necessário, com urgência, para restabelecer a infraestrutura puramente civil de Zaporozhie e garantir a segurança na área”, disse Guterres.

A Rússia acusa a Ucrânia de atacar a usina nuclear e fazer o complexo da usina de cenário de provocação. A usina está sob controle dos militares da Rússia desde março, em meio à operação militar especial russa na Ucrânia.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.