Mundo

EUA ‘à beira’ da guerra com a Rússia e a China – Kissinger – CMIO

O ex-secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, disse ao Wall Street Journal que Washington rejeitou a diplomacia tradicional e, na ausência de um grande líder, levou o mundo ao precipício da guerra pela Ucrânia e Taiwan.

Kissinger já havia cortejado controvérsia por sugerir que Kiev abandonasse algumas de suas reivindicações territoriais para encerrar o conflito com a Rússia.

“Estamos à beira da guerra com a Rússia e a China em questões que criamos em parte, sem nenhum conceito de como isso vai terminar ou a que deve levar”, Kissinger disse na entrevista, publicada no sábado.

Kissinger, agora com 99 anos, elaborou o papel do Ocidente no conflito na Ucrânia em um livro recente sobre líderes proeminentes do pós-Segunda Guerra Mundial. Ele descreveu a decisão da Rússia de enviar tropas ao país em fevereiro como motivada por sua própria segurança, já que a adesão da Ucrânia à Otan levaria as armas da aliança para um raio de 480 quilômetros de Moscou. Por outro lado, ter a Ucrânia em sua totalidade sob a influência russa faria pouco para “acalmar os temores históricos europeus da dominação russa”.


Moscou nomeia condição para 'normalizar' relações com EUA

Diplomatas em Kiev e Washington deveriam ter equilibrado essas preocupações, escreveu ele, descrevendo o atual conflito na Ucrânia como “uma consequência de um diálogo estratégico fracassado”. Falando ao Wall Street Journal um mês após a publicação do livro, Kissinger manteve sua insistência de que o Ocidente deveria ter levado a sério as exigências de segurança do presidente russo, Vladimir Putin, e deixou claro que a Ucrânia não seria aceita na aliança da Otan.

No período que antecedeu sua operação militar na Ucrânia, a Rússia apresentou aos EUA e à OTAN esboços escritos de suas preocupações de segurança, que foram rejeitadas por ambas as partes receptoras.

Kissinger, que no final dos anos 1960 e início dos anos 1970 manteve extensas negociações com os comunistas vietnamitas, mesmo quando os militares dos EUA travavam uma guerra contra eles, disse que os líderes americanos modernos tendem a ver a diplomacia como algo “relações pessoais com o adversário”, e em palavras parafraseadas pelo Wall Street Journal, “tendem a ver as negociações em termos missionários, e não psicológicos, buscando converter ou condenar seus interlocutores em vez de penetrar em seu pensamento”.

Em vez disso, Kissinger argumentou que os EUA deveriam buscar “equilíbrio” entre si, a Rússia e a China.

Este termo refere-se a “uma espécie de equilíbrio de poder, com a aceitação da legitimidade de valores às vezes opostos”, Kissinger explicou. “Porque se você acredita que o resultado final do seu esforço tem que ser a imposição de seus valores, então acho que o equilíbrio não é possível.”


Ocidente deve levar em conta os interesses de Moscou – Kissinger

Sob o presidente Richard Nixon, Kissinger orquestrou o alcance diplomático dos EUA na China na década de 1970, um movimento destinado a afastar Pequim de Moscou e mudar o equilíbrio de poder no mundo para longe do Leste comunista.

Sob o comando do presidente Joe Biden, os EUA assistiram à China e à Rússia aprofundarem seus laços comerciais e diplomáticos. A política dos EUA em Taiwan – com Joe Biden rompendo publicamente com a ambiguidade da era Kissinger de Washington sobre a independência da ilha e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, enfurecendo Pequim com uma visita a Taipei no início deste mês – prejudicou ainda mais o relacionamento dos EUA com a China e provocou um aumento nas forças armadas. atividade no Estreito de Taiwan.

De acordo com Kissinger, os EUA não estão mais em posição de ficar do lado da Rússia ou da China contra o outro. “Tudo o que você pode fazer é não acelerar as tensões e criar opções, e para isso você tem que ter algum propósito” ele disse.

Kissinger é um proeminente defensor da escola realpolitik de relações internacionais, que coloca os interesses práticos das nações à frente das posições ideológicas. Sua visão desapaixonada das relações exteriores lhe rendeu inimigos e elogios, no entanto.

No início deste verão, o presidente ucraniano Vladimir Zelensky condenou Kissinger por sugerir que Kiev deve aceitar um retorno ao “status quo ante” – renunciando às suas reivindicações territoriais sobre a Crimeia e concedendo autonomia às Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk – e buscar um acordo de paz com a Rússia para evitar uma terceira guerra mundial. Kissinger mais tarde esclareceu que essas alegações só deveriam ser temporariamente arquivadas para negociar um cessar-fogo imediato, mas mesmo assim foi rotulado como inimigo da Ucrânia por Kiev e acusado de “espalhar narrativas de propaganda e chantagem russo-fascistas”.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.