Mundo

Joseph Stalin preso — CMIO

Chefe do Sindicato dos Professores do Sri Lanka foi detido por realizar um protesto proibido

As autoridades do Sri Lanka prenderam na quarta-feira um Joseph Stalin. Não o antigo generalismo georgiano, mas o chefe do Sindicato dos Professores da ilha.

Isso ocorreu após protestos em larga escala, no mês passado, que forçaram o presidente do país, Gotabaya Rajapaksa, a fugir do país e renunciar.

A polícia disse a repórteres que o homônimo do ditador soviético havia sido preso “por realizar uma manifestação em maio em violação a uma ordem judicial”.

Em um vídeo, que está circulando nas redes sociais, Stalin, considerado uma das figuras mais proeminentes do movimento de protesto, é ouvido dizendo que “o direito de protestar é um direito democrático”, antes de ser levado por policiais do escritório de seu sindicato em Colombo.

Nos últimos meses, o Sri Lanka enfrentou protestos, inicialmente em grande parte pacíficos, devido à grave escassez de alimentos e combustível, apagões e inflação recorde. A crise foi atribuída à pandemia de Covid-19, que reduziu a receita turística da ilha, e à proibição de Rajapaksa de fertilizantes químicos, que foi um grande golpe para o setor agrícola.

A agitação culminou na invasão do palácio presidencial em 9 de julho, o que levou os militares a levar o então presidente Rajapaksa para um local seguro. Em meio a agitação em massa, Rajapaksa e o então primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe anunciaram sua intenção de renunciar.

O palácio foi ocupado por aproximadamente dez dias, com dezenas de vídeos e fotos mostrando os manifestantes aproveitando os luxos da mansão e seus vastos terrenos, incluindo nadar em uma piscina presidencial e pular em suas camas.

Em 13 de julho, Rajapaksa fugiu para as Maldivas e depois para Cingapura. No dia seguinte, ele enviou uma carta de demissão ao presidente do governo do Sri Lanka. Menos de uma semana depois, o parlamento do Sri Lanka escolheu o seis vezes primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe como novo presidente do país insular.

A repressão “fascista” elementos do movimento de protesto amplamente pacífico, anunciado por Wickremesinghe no primeiro dia de sua presidência, viu dezenas de ativistas serem acusados ​​de danos à propriedade pública.


Manifestantes nadam na piscina do presidente (VÍDEOS)

Um dos manifestantes foi acusado de invadir o armário de bebidas de Rajapaksa, bebendo uma cerveja antes de fugir com uma caneca presidencial. Outro manifestante, um ativista sindical do porto de Colombo, foi preso por roubar duas bandeiras oficiais do palácio e usá-las como lençol e sarongue. Ambos os ativistas supostamente se entregaram ao postar vídeos e fotos de si mesmos nas mídias sociais.

O novo presidente do Sri Lanka, que anteriormente afirmou que “o tempo da divisão acabou”, já se tornou alvo de críticas nacionais e internacionais devido à forma como lidou com os protestos.

Na terça-feira, a Human Rights Watch, com sede em Nova York, disse que os militares do Sri Lanka tentaram reprimir “dissidência pacífica” através de intimidação, vigilância e prisões arbitrárias de manifestantes, ativistas, advogados e jornalistas desde a eleição de Wickremesinghe.

Como exemplo de tais ações, a organização citou a batida das forças de segurança em um acampamento de protesto antigoverno em frente ao gabinete presidencial em Colombo em 22 de julho. Segundo a polícia, a operação levou a nove detenções, dois dos detidos ficaram feridos. Os organizadores do protesto alegaram que dezenas de pessoas ficaram feridas, incluindo vários jornalistas.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.