Mundo

A ‘falta de resposta’ da China à visita de Pelosi não é fraqueza – é estratégia – CMIO

Depois que o mundo assistiu com a respiração suspensa à reação de Pequim à façanha americana, a falta de um surto pode parecer decepcionante – mas não é

Por Timur Fomenkoanalista político

Faíscas voaram na noite de terça-feira quando Nancy Pelosi iniciou sua viagem altamente divulgada a Taiwan, proclamando uma luta global entre democracia e autoritarismo e efetivamente colocando os dedos nos olhos de Pequim. Escusado será dizer que a China estava furiosa, mas em meio à tempestade de mídia social que impediu a visita, uma atmosfera bizarra de decepção surgiu depois entre alguns, que classificaram a resposta de Pequim como “fraca” por não ter intervindo fisicamente para bloquear o voo de Pelosi. O Twitter estava repleto de “hot takes” exigindo que o avião de Pelosi fosse interceptado e declarando que o “blefe” da China havia sido chamado.

Essa pressa por uma “narrativa no momento” e as expectativas fora de controle naturalmente ignoraram o fato de Pequim declarar imediatamente depois um conjunto assustador de exercícios militares a serem realizados nos próximos dias, ambientados nas próprias águas territoriais de Taiwan, com alguns designados mesmo estando a apenas 12 milhas da costa. Esses exercícios efetivamente fecharam partes do espaço aéreo de Taiwan. A China iniciou uma série crescente de sanções contra a ilha que envolveu a lista negra de mais de 100 empresas de alimentos, bem como a proibição de importação de pescado e a venda de areia natural (crítica para a produção de semicondutores).

No entanto, os críticos de poltrona continuam a ridicularizar a China como sendo fraca, simplesmente porque não optou por realizar algum tipo de ação militar contra o terceiro mais alto funcionário do governo dos EUA, um evento que poderia ter desencadeado uma guerra total. Embora a visita de Pelosi constitua, sem dúvida, uma provocação enorme e de mudança de jogo que merece uma resposta de algum tipo, é ridículo pensar que o que poderia ser o maior conflito desde a Segunda Guerra Mundial possa ser baseado nisso. Desafia todas as noções de razão, lógica e bom senso. A China está com raiva e seus cidadãos mais ainda, mas Pequim não é burra ou impulsiva.


A China pode vingar a visita de Pelosi – mas não como podemos pensar

A República Popular da China está disposta a usar a força em muitas ocasiões desde sua fundação. Atirou-se de cabeça na luta contra a coalizão liderada pelos EUA na Guerra da Coréia, foi à guerra contra a Índia em 1962 e invadiu o Vietnã em 1979. A China não tem medo da guerra, especialmente quando se trata de assuntos soberania ou para evitar o cerco estratégico por um adversário. No entanto, isso não significa que elicia conflitos por capricho. A China escolhe suas batalhas com cuidado e, em cada ocasião, sempre ponderou cuidadosamente os fatores de custo-benefício. Isso se tornou ainda mais crítico à medida que a economia da China cresceu e se tornou cada vez mais integrada ao resto do mundo, o que tornou as apostas de iniciar um conflito muito maiores e mais adversas aos interesses da China como um todo.

Para a China agora, Taiwan é uma questão muito séria. Xi Jinping colocou o máximo de apostas políticas em alcançar a “reunificação”, um objetivo que colide com as tentativas dos Estados Unidos de minar a Política de Uma China. Mas isso não significa que a guerra seja a única ou a forma preferida de fazê-lo. Em vez disso, a China está consciente da realidade de que tal conflito prejudicaria gravemente seus objetivos primários de alcançar o desenvolvimento e o crescimento nacional, nos quais Pequim acredita ter o tempo a seu lado e uma trajetória histórica a seu favor. Não é a China que está em pânico e lutando para sustentar seu domínio, mas os EUA que temem que esteja em declínio. Em vez disso, a China está se tornando mais poderosa militarmente à medida que se esforça para se integrar mais profundamente à economia global, o que ocorre em meio a um esforço simultâneo dos EUA para tentar contê-la e isolá-la de seus parceiros. É óbvio como os EUA conseguiriam que seus aliados respondessem à ação militar de Pequim, mesmo que a China pudesse vencer.


Taiwan fala de laços 'sólidos' com os EUA

Diante disso, é uma forma de pensar míope e impulsiva supor que só porque a China agiu com a devida contenção à visita de Pelosi e evitou enfrentar uma grande guerra com os EUA, isso é de alguma forma uma “derrota” ou uma perda de rosto. Pequim realmente fez muitas declarações estrondosas que provavelmente não ajudaram no gerenciamento de expectativas, mas as consequências reais serão de longo prazo, não de curto prazo. Simplesmente se recusar a bombardear Taipei por capricho não significa que Pequim não esteja mais determinada agora a tentar apertar o laço em torno da ilha. Assim como em Hong Kong, a China buscará uma vitória rápida, porém decisiva e sem derramamento de sangue, que assegure sua posição, mas traga custos mínimos.

Para Pequim, não se trata da noite de terça-feira em si, mas do caminho à frente. A estratégia da China é continuar a consolidar seus próprios avanços, tanto militar, econômico e tecnologicamente, evitando um grande conflito de poder no curto prazo que seria catastrófico. Isso não significa, é claro, que eles não tenham linhas vermelhas, e os EUA estão determinados a pressioná-las o máximo que puderem. Em poucas palavras, Nancy Pelosi abriu um novo paradigma de tensões e confrontos, mas isso só torna mais importante que Pequim seja ainda mais sábia, mais contida e de longo prazo em sua estratégia. Este não é um videogame.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam necessariamente as da RT.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte

Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.