Mundo

Ligação de garimpo ilegal com big techs é fruto de descontrole na Amazônia, diz analista

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







Conforme uma reportagem publicada pela agência Reuters, documentos da Polícia Federal (PF) apontam que um refinador italiano, fornecedor de grandes empresas como Amazon, Apple, Microsoft e também a controladora do Google, Alphabet, comprou ouro extraído ilegalmente da Amazônia. Segundo a investigação, a companhia italiana Chimet teria comprado milhões de dólares em ouro da empresa brasileira CHM, que supostamente teria adquirido o metal precioso ilegalmente de garimpeiros.
A revelação aponta para o crescente problema do garimpo ilegal no Brasil, que cresceu desde o início do governo Jair Bolsonaro (PL), em meio à desregulamentação e redução da atuação de órgãos de repressão. Segundo dados do Instituto Escolhas, organização socioambiental de pesquisa sobre desenvolvimento sustentável, pelo menos 84 toneladas de ouro ilegal foram produzidas no Brasil apenas nos dois primeiros anos da gestão Bolsonaro, um aumento de 23% em relação ao mesmo período anterior.

© Folhapress / Lalo de AlmeidaGarimpo ilegal na Amazônia, em área do rio Rato, afluente do Tapajós

Garimpo ilegal na Amazônia, em área do rio Rato, afluente do Tapajós. Foto de arquivo

Baseado em ‘princípio de boa-fé’, rastreio do ouro no Brasil tem problemas

A engenheira ambiental Juliana Siqueira-Gay, gerente de projetos do Instituto Escolhas, explica que há um longo processo desde a extração até a comercialização do ouro que chega até as big techs como Google e Amazon.
“O ouro hoje é extraído de determinados locais, por exemplo, da Amazônia, e precisa ser vendido por uma empresa aqui chamada DTVM [Distribuidora de Títulos e Valores Imobiliários], instituições financeiras que tratam dessa primeira compra do ouro. Essa primeira compra é realizada em um formulário de papel onde se declara a origem e qual o processo minerário a que esse ouro se refere”, explica Siqueira-Gay.
Após esse processo, o metal precioso pode ser vendido, por exemplo, para uma fundição, joalheria, pessoas físicas, tradings e bolsas, em uma cadeia que vai das mineradoras às exportações. Só então o ouro é comercializado e chega às empresas maiores, como as grandes companhias de tecnologia e de equipamentos eletrônicos. Apesar disso, há problemas nesse processo que dificultam a verificação sobre a procedência do metal vendido no Brasil, diz a especialista.
“Como a primeira venda desse ouro é realizada em um formulário de papel e o processo minerário declarado não é verificado, não há como atestar a origem desse ouro e certificar que esse ouro não veio de uma origem duvidosa, uma vez que esse processo é autodeclaratório por parte do primeiro vendedor e baseado na boa fé desses compradores. As DTVMs ficam resguardadas pelo princípio da boa-fé ao guardarem esses documentos de papel”, afirma.
Vista aérea da aldeia Rapkô, dos índios Xikrins, na Terra Indígena Trincheira Bacajá, em São Félix do Xingu, no Pará (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 27.07.2022

Notícias do Brasil

Amazônia é foco de interesse e de atuação da política externa dos EUA, afirma analista

Falta de controle gera problemas ambientais e prejudica povos indígenas

A gerente de projetos do Instituto Escolhas ressalta que as atividades de extração do ouro nesse processo sem rastreio confiável geram diversos impactos indesejados e afetam comunidades locais, incluindo as populações indígenas.
“Hoje, o que nós vemos quais são os impactos das atividades de extração de ouro, que acontece dentro de terras indígenas e unidades de conservação. Esses impactos são de uma grande alteração da qualidade das águas, alteração da biota aquática. Há uma turbidez muito maior nas águas, o que nós conseguimos perceber pelas imagens de satélite. Nós vemos um considerável desmatamento das áreas de ocupação dessas atividades e, principalmente, essas atividades afetam a qualidade de vida das populações locais”, salienta.
Siqueira-Gay ressalta que diversas comunidades são afetadas pela contaminação e pela poluição do mercúrio utilizado para facilitar a separação do ouro, além de outras questões de saúde relacionadas ao contato dos garimpeiros com as populações locais. A intoxicação por mercúrio pode trazer diversos problemas à saúde, incluindo distúrbios neurológicos.
“Nós vimos um crescente aumento das atividades de mineração no Brasil nos últimos anos, especialmente na Amazônia. Hoje, nós sabemos que a área garimpada, a área referente à extração de garimpo é maior do que a área de mineração industrial, o que nos mostra que essas atividades, hoje, são muito preponderantes no nosso país”, aponta a especialista.
O vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, 11 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 21.02.2022

Notícias do Brasil

Militar intercedeu por grupo do Canadá para fechar contrato de mineração na Amazônia, diz mídia

A engenheira ambiental, que faz parte da equipe que publicou um documento voltado à propostas para o rastreio do ouro no Brasil, explica que uma série de propostas e decretos que visam facilitar e formalizar essas atividades ganharam espaço recentemente no governo de Jair Bolsonaro (PL). Entre essas medidas estão propostas de simplificação dos procedimentos de aprovação junto à Agência Nacional de Mineração (ANM), órgão que regula o setor, assim como tentativas de viabilizar a exploração de minérios em terras indígenas— o caso do PL 191/2020.
“A gente vê algumas propostas de simplificação do licenciamento ambiental que vão justamente no sentido contrário, não é? Ao invés de avaliar de forma sistemática os impactos dessas atividades, essas propostas visam simplificar os processos de aprovação de novos projetos. Isso dá uma conjuntura para esse aumento recente dessas atividades no Brasil“, avalia.

‘Governo faz o que prometeu’

Gilderlan Rodrigues da Silva, coordenador regional do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) no estado do Maranhão, salienta que a mineração ilegal afeta os povos indígenas em diversos níveis, desde o território à alimentação.
“O garimpo necessita de uma área gigantesca para poder extrair o ouro e destrói uma vegetação que não se recupera mais, o que atinge também a alimentação dos povos.Muitos povos dependem da floresta para se alimentar”, afirma Silva em entrevista à Sputnik Brasil, acrescentando que esses territórios são um direito constitucional dos povos indígenas.
Indígenas marcham para protestar contra o desaparecimento do especialista indígena Bruno Pereira e do jornalista freelance britânico Dom Phillips, em Atalaia do Norte, Vale do Javari, Amazonas, Brasil, segunda-feira, 13 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 19.07.2022

Notícias do Brasil

Visando ‘expandir potencial de liderança’, EUA oferecem curso de inglês para indígenas na Amazônia

Segundo o coordenador regional do Cimi, esse processo potencializa a violência nos territórios indígenas e desarticula as populações devido ao que ele descreve como “invasão completa de não indígenas dentro das aldeias”. O ativista também ressalta o esvaziamento de órgãos de fiscalização como a Fundação Nacional do índio (Funai) durante a gestão Bolsonaro.
“O governo está fazendo aquilo que prometeu, que é não demarcar terras para os índios e não fazer a proteção dos territórios”, afirma.

Proposta visa rastrear o ouro e reduzir impactos

Diante das deficiências e dos prejuízos ambientais no atual processo de mineração e comercialização do ouro no Brasil, a gerente de projetos do Instituto Escolhas, Juliana Siqueira-Gay, aponta que a organização desenhou uma proposta para o rastreio da origem do ouro. Segundo ela, o projeto busca “legalizar toda a cadeia produtiva”.
“É uma proposta que busca legalizar toda a cadeia. A partir de um sistema de monitoramento digital de blockchain para armazenar as informações de forma digital. Então, notas fiscais eletrônicas, guias de transporte e custódia do ouro que trataria de acompanhar todas as transações”, explica.

© Foto / roemi62Rocha e ouro em imagem de referência

Rocha e ouro (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 04.08.2022
Rocha e ouro em imagem de referência. Foto de arquivo
Além do sistema digitalizado, a organização propõe a marcação física do ouro, que pode ser feita a partir da adição de isótopos de prata. Com isso, seria possível rastrear para onde vai esse ouro, e com quem ele está.
“Dessa forma é possível monitorar aonde esse ouro está sendo comercializado, de onde ele veio, e comprovar essa origem e essa rastreabilidade”, conclui.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.