Mundo

EUA e Coreia do Sul expandem exercício militar conjunto — CMIO

Os chefes de defesa dos dois países concordaram em ampliar seu exercício planejado em meio às crescentes tensões com a Coreia do Norte

Os chefes de defesa dos EUA e da Coreia do Sul concordaram em expandir seu exercício militar conjunto planejado para o final deste ano, preparando o terreno para implantar mais armas estratégicas de Washington na península em meio ao aumento do barulho de sabres em Pyongyang.

O exercício, que provavelmente será chamado de Ulchi Freedom Shield, será integrado a um exercício de defesa civil e atualizado para o que Seul considera seu nível mais alto de exercício, de acordo com um comunicado do Ministério da Defesa sul-coreano. Reunidos na sexta-feira em Washington, o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, e o ministro da Defesa sul-coreano, Lee Jong-sup, também concordaram em fortalecer o “postura de dissuasão” de sua aliança, “incluindo a implantação de sistemas de defesa de mísseis balísticos e ativos estratégicos dos EUA na Península Coreana”.

As negociações ocorreram um dia depois que o líder norte-coreano Kim Jong-un alertou que a “dissuasão de guerra nuclear” foi “totalmente pronto” para responder às ameaças. Pyongyang lançou uma série de testes de mísseis este ano e pode estar prestes a realizar seu primeiro teste de arma nuclear desde setembro de 2017.


Coreia do Norte emite alerta nuclear

Lee e Austin “Deixou claro que se a Coreia do Norte realizar seu sétimo teste nuclear, apesar da oposição da comunidade internacional, a ROK [South Korea] e os Estados Unidos responderão resoluta e conjuntamente com base em uma forte postura de defesa combinada”, disse o ministério da defesa.

A Coreia do Norte há muito faz ameaças sobre os exercícios de defesa dos EUA e da Coreia do Sul, chamando-os de ensaios para invasão. Esta semana, Kim convocou os exercícios conjuntos “comportamento de bandido” e ameaçou “destrua” Seul se a ROK fizer qualquer “tentativa perigosa” contra o Norte. Em um discurso que marcou o 69º aniversário do armistício que interrompeu a Guerra da Coreia de 1950-1953, ele acusou a Coreia do Sul de buscar um “confronto suicida” aprofundar os laços com “os imperialistas dos EUA”.

A Coreia do Sul tem procurado aprofundar os laços militares com os EUA desde que o recém-eleito presidente Yoon Suk-yeol assumiu o cargo em maio. Yoon disse na época que exercícios militares conjuntos eram “chave para nossa capacidade de defesa combinada”. O novo presidente também tem defendido o posicionamento de armas nucleares dos EUA na Coreia do Sul.


Coreia do Sul realiza jogos de guerra perto de ilhas disputadas – mídia

Enquanto Seul buscou mais poder de fogo de Washington, os EUA pressionaram por mais cooperação entre a Coreia do Sul e o Japão, que entraram em conflito nos últimos anos por questões comerciais e territoriais, bem como por uma longa crítica sobre as atrocidades durante a ocupação japonesa de 1910-1945. Península.

Na reunião de sexta-feira, Austin e Lee “concordaram sobre a importância de cooperar trilateralmente com o Japão e reforçar a cooperação regional que protege a segurança e a prosperidade compartilhadas, defende valores comuns e reforça a ordem internacional baseada em regras”, disse o Pentágono em um comunicado separado.

A relação Seul-Tóquio pode ter sido ainda mais tensa nesta semana, quando a Coreia do Sul realizou exercícios militares perto de ilhas disputadas entre os países.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.