Mundo

A possível visita de Pelosi a Taiwan não levará à guerra – ainda – CMIO

Autoridades de alto escalão dos EUA acham aceitável pressionar contra as linhas vermelhas da China. Pode não levar à guerra agora, mas aumentará o perigo mais adiante

Por Timur Fomenkoanalista político

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, parece estar à beira de uma viagem a Taiwan, um evento ao qual a China prometeu responder com “medidas contundentes.“A visita é uma repetição de uma que ela originalmente pretendia realizar em abril, mas foi impedida de fazê-lo quando testou positivo para Covid-19. Se for adiante, será a primeira visita de um orador de uma casa dos EUA à ilha em 25 anos. O último foi o republicano Newt Gingrich, mas a diferença crítica foi que ele o fez como político da oposição ao então presidente Bill Clinton, um democrata.

Desta vez, Pelosi, como parte do partido majoritário, está liderando uma delegação em uma turnê asiática em um momento de tensões sem precedentes. A viagem também coincide com o aniversário da fundação do Exército Popular de Libertação da China (PLA), que cai em 1º de agosto. Embora o presidente Joe Biden, assim como os militares dos EUA, tenham manifestado objeções ao empreendimento, isso não parece ter dissuadiu Pelosi até agora, com os republicanos da linha dura agora torcendo por ela e dizendo que os EUA parecerão fracos se ela recuar.

Isso cria um dilema extremamente infeliz, especialmente considerando um telefonema na quinta-feira entre Biden e o presidente chinês Xi Jinping, no qual Xi alertou Washington para não “brincar com fogo” em relação a Taiwan. Mas, na realidade, essa conversa raramente significou alguma coisa, já que os EUA, quando se trata de ações sérias, nunca estiveram realmente dispostos a diminuir as tensões com a China, agir de forma pragmática ou com bom senso. Embora seja verdade que Pelosi tecnicamente não é o governo e não iria lá em nome deles, no entanto, o fato de esse evento estar acontecendo significa o quão desequilibrado o espectro mais amplo da política externa dos EUA se tornou. Não há qualquer restrição ou respeito pelas linhas vermelhas de outros países, apenas a pressão por objetivos maximalistas a todo custo.


China alerta para resposta militar à viagem de Pelosi a Taiwan – FT

Muitas pessoas pensaram que o ex-presidente Donald Trump era louco e caótico, mas uma verdade não dita é que a política externa americana na verdade regrediu ainda mais sob Biden. Enquanto Trump buscava interesses próprios estreitos em nome de ‘América em primeiro lugar’, o que ofendia amigos e inimigos, o governo Biden não apenas abraçou essa doutrina, mas a refinou em uma cruzada ideológica que se esforça para forçar a hegemonia americana em todas as frentes. de uma forma que é ao mesmo tempo zelosa e intransigente. Não devemos desprezar as observações de Trump de que, se ele fosse presidente, o conflito na Ucrânia não estaria acontecendo agora, e ele provavelmente teria feito um acordo para evitá-lo.

Como resultado, os EUA continuaram a ridicularizar e pressionar contra a linha vermelha da China na questão de Taiwan, ao mesmo tempo em que reivindicam oficialmente no nível presidencial que sua política permanece a mesma para tranquilizar a China. Esta é uma estratégia que foi descrita como ‘Salami Slicing’ por Pequim, que se esforça para mudar gradualmente o status quo para a independência de Taiwan, alegando não fazê-lo para evitar transtornos estratégicos que podem criar conflitos. É provocativo, mas sutil. No entanto, o que Biden não levou em conta é o fato de que o Congresso tem ainda menos contenção do que ele. O ataque de propaganda sobre o apoio dos EUA à Ucrânia deixou muitos confiantes demais na crença de que a China foi levada a ‘pensar duas vezes’ sobre Taiwan e, como resultado, os ultra-falcões, especialmente no Congresso, agora estão felizes em apertar esse botão ainda mais em acreditar que podem chamar o blefe de Pequim.

Mas se essa visita acontecer, levará à guerra? Isso pode ser uma reação exagerada por muitas razões óbvias. A China não invadirá Taiwan se Nancy Pelosi visitar. No entanto, tal situação, no entanto, força Pequim a um canto para retaliar de uma maneira que re-legitime sua reivindicação sobre a ilha e evite a humilhação política. Se seu blefe for chamado, sua linha vermelha perde credibilidade, e a lógica da dissuasão significa que algo deve ser feito para restabelecer o equilíbrio. Portanto, ao prometer contramedidas, a China quer dizer o que diz. No entanto, ainda não está claro até que ponto exatamente Pequim irá resolver isso.


Visita de Pelosi a Taiwan pode ser ponto de ruptura para as relações EUA-China

Uma coisa que é óbvia, olhando para as crises do Estreito de Taiwan no passado, é que a China provavelmente fará algum tipo de exercício militar em grande escala. Os EUA já estão respondendo a isso movendo recursos militares para a área. No entanto, também há especulações de que Pequim pode avançar ainda mais ao declarar uma “zona de exclusão aérea” sobre a ilha ou fazer um movimento semelhante que aumenta drasticamente o risco de confronto. Lembre-se, quando Mike Pompeo enviou o embaixador da ONU Kelly Craft para visitar Taiwan em sua última semana no cargo, o voo foi cancelado no último momento após avisos de Pequim. Desta vez, a China sem dúvida reagirá de alguma forma, mas Pelosi e seus apoiadores parecem pensar que podem ridicularizar isso, assim como se acreditava que a linha vermelha da Rússia sobre a Ucrânia poderia ser ignorada da mesma forma.

Em última análise, isso só serve para mostrar que a política externa dos EUA degenerou em uma forma de insanidade estratégica. Temendo uma perda de status sobre os estados rivais, a classe política do país tornou-se cada vez mais imprudente e destrutiva nos movimentos que está disposto a fazer para manter sua hegemonia. Mesmo que esta visita a Pelosi não resulte em conflito aberto, o que provavelmente não resultará, o dano que causará à confiança estratégica como um todo provavelmente será permanente e poderá preparar o cenário para um conflito mais adiante, algo que muitas vozes em Washington parecem gostar.

As declarações, pontos de vista e opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam necessariamente as da RT.

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.