Mundo

Regras do Reino Unido sobre o ouro da Venezuela — CMIO

A Suprema Corte da Grã-Bretanha recusou a tentativa do presidente Nicolás Maduro de repatriar os bens de seu país

A Suprema Corte do Reino Unido rejeitou uma demanda do governo venezuelano para ter acesso a cerca de US$ 1 bilhão em reservas de ouro do país que estão atualmente armazenadas no Banco da Inglaterra, informou a Reuters na sexta-feira.

De acordo com o relatório, o principal tribunal da Grã-Bretanha rejeitou uma decisão recente da Suprema Corte venezuelana, que apoiou o pedido do presidente Nicolás Maduro para que o ouro fosse repatriado do Reino Unido. No entanto, Londres reconhece a figura da oposição Juan Guaidó como o legítimo presidente venezuelano.

“Concluí que o Conselho Guaidó tem êxito: que as sentenças do STJ não são passíveis de reconhecimento”, o juiz foi citado como tendo dito, efetivamente dando a Guaidó rédea solta sobre os bens.

Tanto Maduro quanto Guaidó nomearam conselhos para o Banco Central da Venezuela (BCV), mas emitiram instruções conflitantes para as reservas de ouro. Advogados que representam o conselho do BCV de Maduro disseram que ele planeja vender parte do ouro para financiar a campanha da Venezuela contra a pandemia de Covid-19 e apoiar o sistema de saúde do país. No entanto, segundo Guaidó, Maduro busca o ouro para pagar as dívidas externas de seu governo.


EUA ponderam apreender petróleo venezuelano

O Reino Unido reconheceu Guaidó como o legítimo presidente venezuelano no início de 2019, juntamente com cerca de 50 outros países. Após seu reconhecimento, Guaidó pediu ao Banco da Inglaterra que não concedesse ao governo de Maduro acesso ao ouro do país que detém. O conselho do BCV de Maduro processou o Banco da Inglaterra em um esforço para recuperar os fundos.

Especialistas dizem que a decisão do tribunal do Reino Unido é sem precedentes, porque equivale à interpretação da constituição de um país por um tribunal de um país diferente.

Cerca de 31 toneladas de ouro venezuelano no valor de aproximadamente US$ 1,5 bilhão estão atualmente no Banco da Inglaterra.

Para mais matérias sobre economia e finanças, visite a seção de negócios da RT

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Verificado por RJ983

Conteúdo traduzido

Ver fonte




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.