Mundo

Posição da Turquia sobre Rússia irrita Biden apesar de acordo sobre grãos ucranianos, diz mídia


A Turquia continua a ser “uma fonte de irritação substancial” para o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, informou a mídia norte-americana. De acordo com o veículo, a posição de Ancara sobre a crise na Ucrânia faz parte de uma gama mais ampla de questões.
O envolvimento de Ancara no acordo mediado pela ONU há alguns dias entre Moscou e Kiev sobre as exportações de grãos ucranianos foi bem recebido por Washington, mas não significa que todos os problemas nas relações EUA-Turquia foram resolvidos, alertou a mídia em seu artigo de sábado (23). O presidente turco Recep Tayyip Erdogan foi descrito nele como uma “dor de cabeça” e “uma fonte de irritação substancial” para Washington.
O NYT citou o representante da Câmara dos Representantes dos EUA, Chris Pappas (Democrata-New Hampshire), que afirmou que “a Turquia jogou nos dois lados da cerca na Ucrânia. Eles não foram o aliado confiável com o qual deveríamos contar”.
“Acho que o governo Biden precisa ter uma postura mais forte”, insistiu Pappas.
Panorama internacional

Acordo de grãos vai reduzir preços de produtos alimentares no mundo, acredita Ancara

Ancara, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), condenou a operação militar especial de Moscou na Ucrânia e forneceu às forças de Kiev seus drones Bayraktar, mas ao mesmo tempo se recusou a aderir às sanções internacionais contra a Rússia e continuou lidando com o país.
Na terça-feira (19), o presidente turco visitou Teerã para conversar com seus colegas iranianos e russos, Ebrahim Raisi e Vladimir Putin, mas, de acordo com o jornal, analistas apontam que “as imagens de dois dos principais rivais americanos com Erdogan, líder de um país da OTAN, colidiram com a narrativa ocidental de um Irã e uma Rússia profundamente isolados“.
Outro ponto de discórdia entre os EUA e a Turquia é o aviso renovado de Ancara nesta semana de que vai bloquear a adesão da Finlândia e da Suécia ao bloco da OTAN liderado pelos EUA se as duas nações nórdicas não cumprirem sua promessa de extraditar membros de grupos curdos (do PKK) que a Turquia considera terroristas. Ao usar seu poder de veto, Erdogan “envergonharia profundamente a aliança e o governo Biden enquanto eles trabalham para combater a Rússia”, alerta o artigo.
O líder turco pode estar especialmente inclinado a anular os pedidos de Helsinque e Estocolmo, porque parece improvável que o Congresso permita que Biden cumpra sua promessa de vender caças F-16 para Ancara, acrescentou.
Bandeiras da Turquia, Rússia, ONU e Ucrânia durante assinatura do acordo de grãos em Istambul, 22 de julho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 22.07.2022

Panorama internacional

Rússia firma ‘pacto alimentar’ com Turquia e ONU sobre retirada de grãos ucranianos do mar Negro

A Turquia está interessada nesses aviões depois que o governo anterior de Donald Trump impediu o país de obter caças F-35 em resposta à decisão do país de se armar com sistemas de mísseis antiaéreos S-400 Triumph, fabricados na Rússia.
Ancara tem outras queixas contra Washington sobre, entre outras coisas, a relutância dos EUA em entregar o clérigo exilado Fethullah Gulen, acusado de planejar um golpe militar fracassado na Turquia em 2016, e sobre o apoio norte-americano aos combatentes curdos na Síria. Os curdos ajudaram os EUA a combater o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), mas as autoridades turcas os veem como uma grande ameaça à segurança.
Os EUA estão seriamente preocupados com os planos da Turquia de invadir as áreas curdas no norte da Síria, já que o Daesh pode tirar proveito dessa medida, apontou o NYT, citando uma declaração da vice-secretária assistente de Defesa, Dana Stroul.
Erdogan está “em nossa equipe, mas então ele faz coisas que claramente não são boas para nossa equipe. E eu simplesmente não vejo isso mudando”, disse a ex-funcionária do serviço estrangeiro Elizabeth Shackelford ao jornal.
Mas, de acordo com funcionários anônimos do governo Biden que conversaram com a mídia, seria “autodestrutivo” para Washington descartar completamente o líder turco, porque “a posição de sua nação na encruzilhada do Oriente e do Ocidente é estrategicamente importante e permite que ele seja um interlocutor com vizinhos ainda mais problemáticos”.



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor




Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.